PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro foi pressionado a não dar superpoderes a Ciro, mas centrão venceu

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

27/07/2021 10h36

Até os últimos momentos do encontro do presidente Jair Bolsonaro com Ciro Nogueira, nesta manhã, o presidente da República foi pressionado por bolsonaristas e aliados da caserna a não entregar ao senador e presidente nacional do PP a chefia da Casa Civil.

Ciro comanda o maior partido do centrão, agrupamento de siglas que dá sustentação ao governo no Congresso e que, simplesmente, não aceitou o recuo do Planalto.

A ascensão de Ciro e do centrão no governo conseguiu reunir bolsonaristas de raiz e militares do Planalto, que até então andavam às turras por espaços no governo. Os dois grupos defendiam que não fosse desalojado do cargo o atual chefe da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos. Temem o fortalecimento excessivo do centrão. Queriam que Ciro Nogueira ficasse com a chefia da Secretaria Geral da Presidência, cargo ocupado por Onyx Lorenzoni.

Bolsonaro chegou a cogitar da mudança de rota, e fez chegar a ao senador a ideia. Mas Ciro, com o apoio dos demais integrantes da cúpula do centrão, não aceitou. Deixou claro a interlocutores que já havia sido convidado para a Casa Civil e que um recuo agora seria visto como uma primeira derrota antes mesmo de assumir.

Ciro devolveu o recado dizendo que só teria condições de "ajudar o presidente" se tivesse o controle de toda a distribuição de cargos e emendas orçamentárias distribuídas pelo governo, o que é uma atribuição da Casa Civil. Ficou com o cargo, e Ramos é quem vai para a Secretaria Geral.

A Casa Civil faz a ligação do Palácio do Planalto com todos os órgãos subordinados ao presidente. Com Ciro na Secretaria Geral, os bolsonaristas de raiz e os militares pretendiam que ele cuidasse apenas da relação com o Congresso.

Agora, na prática, o presidente nacional do PP ganhou superpoderes que o habilitam, inclusive, a bater de frente com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na discussão de projetos de interesse da equipe econômica em tramitação no Congresso.

O antigo "posto Ipiranga" do Planalto, por onde tudo no governo passaria, está perdendo poderes nessa reforma ministerial, sendo obrigado até mesmo a entregar um pedaço de sua pasta para a criação do Ministério do Emprego e da Previdência, a ser comandado por Onyx Lorenzoni.

A todos que o pressionaram, Bolsonaro repetia o mantra de que não tem outra opção se não ceder ao centrão. Acossado pela CPI da Covid no Senado, pela inflação crescente, o desemprego e a pandemia do coronavírus ainda fora de controle, só resta ao presidente blindar-se no Congresso contra um eventual processo de impeachment.

Há 127 pedidos de afastamento do presidente, cujo início da tramitação depende de outro integrante da cúpula do PP, o presidente da Câmara, Arthur Lira (AL). Sem o PP e o centrão, Bolsonaro correria sério risco de ver seu mandato naufragar.