PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

ICMS: candidato bolsonarista a governador, Heinze repele tese de Bolsonaro

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

14/06/2022 14h05

O presidente Jair Bolsonaro tem culpado ora a Petrobras, ora os governadores pela inflação, especialmente por causa do aumento dos preços dos combustíveis. São duas as principais propostas do governo em discussão no Congresso: limitar a 17% a alíquota do ICMS sobre energia, telecomunicações e combustíveis cobrada por estados e municípios; e ressarcir os governadores que aceitarem zerar a cobrança de impostos sobre combustíveis.

Na sabatina do UOL da qual participou nesta terça-feira, 14, o candidato do PP ao governo do Rio Grande do Sul, Luís Carlos Heinze, foi peremptório: o estado já estará perdendo dinheiro com o teto sobre o ICMS e, portanto, se for aleito, não aceitará a proposta de Bolsonaro de zerar impostos sobre combustíveis. "Tenho responsabilidade com as contas e não posso fazer isso", disse.

Heinze disse mais. Também está contra a proposta do governo federal para renegociação das dívidas do estado. Se o atual governador do Rio Grande do Sul fechar acordo com o Ministério da Fazenda, Heinze avisa: vai tentar mudar o acordo. "Não teremos como pagar R$ 13 bi, ou R$ 14 bi, R$ 15 bi por ano. Pretendo juntar governadores de outros estados e rever essa cobrança", argumenta.

Em outras palavras, as contas e os argumentos do presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, não convencem nem um dos mais ferrenhos bolsonaristas candidatos a governador.

Vale lembrar que Heinze era aquele que se expôs a cenas que beiraram o ridículo na CPI da pandemia para defender o governo e o uso de cloroquina como tratamento contra a Covid-19 promovido pelo presidente Bolsonaro.