PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


Bolsonaro, o pai do povo

Bolsonaro, no Piauí: check list quase completo - Alan Santos/Presidência da República
Bolsonaro, no Piauí: check list quase completo Imagem: Alan Santos/Presidência da República
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

31/07/2020 13h01

O populismo é, antes de tudo, um estilo.

Uma definição mínima e convergente desse estilo de fazer política é a de que ele enaltece "o povo" e sataniza "as elites".

Por "povo", entenda-se a parte da sociedade que é favorável ao líder populista.

Por "elite", também chamada de "establishment", entendam-se as instituições que podem ser responsabilizadas por "atrapalhar" ou "boicotar" os esforços do líder populista em prol do bem do povo.

Entre os mandamentos da cartilha populista, incluem-se:

- a tomada de decisões com base na emoção sobre a razão

- impulsos autoritários mal-disfarçados

- a eliminação das contradições, paradoxos e ambiguidades (para os populistas, tudo é certeza, tanto mais se essa certeza carregar graus variados de conspiracionismo)

- a convicção de que há sempre uma solução simples para problemas complexos (vai uma cloroquina aí?)

- um fraco pelo vale-tudo fiscal ( um líder populista não vê problemas em gastar como se não houvesse amanhã, desde que esse gasto se reverta para ele em dividendos populares)

Em abril, o ex-capitão deu uma piscadela em público para o nacional desenvolvimentismo com o Plano Pró-Brasil, abortado diante do esperneio de Paulo Guedes.

Agora, com a definição da política econômica pós-pandemia, o ex-desenvolvimentista, ex-nativista e ex-protecionista auto-declarado convertido à cartilha liberal enfrentará seu maior teste.

Crises, concordam cientistas políticos, produzem medo e frustração.

Guerras, depressões econômicas e, claro, pandemias aprofundam as divisões políticas e facilitam a união e mobilização do "povo" contra o "establishment".

São terreno fértil para o desabrochar de líderes populistas.

Falta bem pouco para Bolsonaro ticar o último item do seu check-list.

Thaís Oyama