PUBLICIDADE
Topo

O que a briga em torno do vídeo de Mario Frias diz sobre o Brasil

o secretário Mario Frias, autor do vídeo apenas ridículo que monopolizou a discussão nas redes sociais  -
o secretário Mario Frias, autor do vídeo apenas ridículo que monopolizou a discussão nas redes sociais
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

06/09/2020 10h51

O fato de um vídeo apenas ridículo —gravado, estrelado e divulgado pelo secretário de Cultura, Mario Frias— ter rachado o Twitter durante todo o fim de semana mostra quão inflamáveis andam os ânimos nas redes sociais.

Tudo vira um Fla x Flu com direito a xingamento de mães.

No livro "Why we're polarized" ("Por que polarizamos", em tradução livre), o jornalista Ezra Klein junta episódios da política americana a experimentos clássicos da psicologia de grupo para mostrar que os seres humanos não resistem em dividir o mundo entre "nós" e "eles".

E uma vez estabelecida essa divisão, "nós" fazemos de tudo para favorecer os nossos e desfavorecer os outros ("eles").

O mais curioso é que, para esse mecanismo funcionar, não é necessário que haja uma convicção em jogo.

A satisfação de "pertencer" a um grupo é suficiente para que "nós" avancemos contra "eles" sem motivo ou a pretexto de QUALQUER coisa — o que, no Brasil, inclui a discussão sobre a adoção da cloroquina no combate à covid-19, os efeitos do aquecimento global e, mais recentemente, a eficácia da vacina contra o coronavírus e o uso de bermudas justas pelo público masculino.

Postar-se ferozmente de um lado da "discussão" mostra a que turma o cidadão pertence - e serve de atestado de lealdade para com o grupo que o abriga.

Pesquisa Exame/Ideia divulgada na quinta-feira apontou a vitória de Jair Bolsonaro sobre todos os seus potenciais rivais caso a eleição fosse hoje. Ela trouxe outros dados interessantes.

Entre eles: subiu o número de brasileiros que considera o desempenho do governo federal "ótimo ou bom".

E aumentou também o número dos que o avaliam como "ruim e péssimo".

O que encolheu foi a quantidade de pessoas que classificam o governo como "regular". Isso mostra que a polarização no Brasil ainda está longe de bater no teto.

Coitadas das mães brasileiras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.