PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A fala marota de Gleisi e os riscos da aposta desesperada de Bolsonaro 

Gleisi Hoffmann, presidente do PT: "atualizando" os números para entrar no leilão - AGATHA GAMEIRO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Gleisi Hoffmann, presidente do PT: "atualizando" os números para entrar no leilão Imagem: AGATHA GAMEIRO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

25/10/2021 11h24

A mais recente e desesperada investida do presidente Jair Bolsonaro na tentativa de reeleger-se —a distribuição, sem projeto e sem lastro, de R$ 400 a 17 milhões de brasileiros — pode fracassar no seu objetivo principal, o de colher votos entre os mais pobres.

Em entrevista publicada hoje na Folha, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, sacramentou o que o ex-presidente Lula já vinha marotamente ventilando: que o PT irá entrar em campo em 2022 com uma proposta de Bolsa Família no valor de R$ 600.

Ou seja, para neutralizar o canto da sereia de Bolsonaro junto ao eleitorado de baixa renda, o PT está disposto a cantar mais alto.

Do ponto de vista eleitoral, trata-se de uma boa estratégia.

Da mesma forma que o sapo não pula por boniteza, mas por precisão, o eleitor — rico, remediado e pobre— não vota por gratidão.

Assim, no caso do eleitor de baixa renda, não se espera que ele vá retribuir com seu voto a "gentileza" de um governo que o ajudou a sobreviver.

Muito mais razoável é que ele vote neste governo para não deixar de receber o dinheiro na hipótese de a oposição vencer.

Se, no entanto, a oposição se compromete a seguir com o benefício e ainda aumentar o seu valor, a vantagem do incumbente desaparece.

E a briga passa a ser outra: a de quem tem mais capacidade de convencer o eleitorado preocupado com a sobrevivência de que estará com ele a partir de 2023.

Nesse ponto, o presente indica que o futuro reserva golpes bem abaixo da cintura para um lado e para o outro.

Bolsonaro, que chamava o programa de transferência de renda do PT de "Bolsa Esmola", agora diz que "seria extremamente injusto" deixar milhões de brasileiros "com o valor tão pouco no Bolsa Família".

Já Lula e Gleisi afirmam, sem corar, que o PT defende um Bolsa Família de R$ 600 "desde o ano passado" — uma forma de blindar-se da acusação de que o PT entrou em um leilão com Bolsonaro depois que o ex-capitão prometeu bater o martelo em um auxílio de R$ 400.

O projeto que foi apresentado pela bancada petista na Câmara dos Deputados no ano passado prevê o pagamento do "benefício variável, no valor de R$300,00 (trezentos reais) por criança, adolescente, gestante e nutriz" e "será concedido às famílias que se encontrem em situação de extrema pobreza ou de vulnerabilidade de renda".

Os R$ 600 — que agora Lula e Gleisi citam como valor "desde o ano passado" proposto para o Bolsa Família— seriam garantidos, de acordo com o projeto, apenas em situações de calamidade, como a pandemia, e por um período restrito.

Antes de o ex-capitão entrar em campo com seus R$ 400 reais, portanto, o que o PT oferecia era um Bolsa Família de valor mínimo de R$ 300 e não de R$ 600.

Esse é o fato.

Mas o que podem os fatos diante das versões?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL