PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


Vídeo engana sobre poder de compra de gasolina sob Lula e Bolsonaro

24.mar.2022 - Vídeo tira dados de contexto e engana sobre poder de compra nos governos Lula e Bolsonaro - Projeto Comprova
24.mar.2022 - Vídeo tira dados de contexto e engana sobre poder de compra nos governos Lula e Bolsonaro Imagem: Projeto Comprova

Projeto Comprova

24/03/2022 15h44

Conteúdo verificado: Vídeo e post que afirmam que o poder de compra de combustível é maior em 2022, no governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), do que em 2006, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A tabela faz cálculos com base nos salários mínimos, nos preços do litro da gasolina e do barril de petróleo praticados nos meses de janeiro dos respectivos anos. Trata-se de um recorte de vídeo publicado pelo empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), em sua página do Facebook, em 11 de março deste ano.

Onde foi publicado: O material está circulando nos aplicativos Whatsapp, TikTok e Instagram.

Conclusão do Comprova: É enganoso o conteúdo de um vídeo que mostra o empresário Luciano Hang lendo valores dos anos 2006 e 2022, comparando o poder de compra de gasolina nos governos Lula e Bolsonaro com base no salário mínimo.

De fato, com um salário mínimo, hoje seria possível abastecer com 44 litros a mais do que em 2006, mas Hang não mostra em seu vídeo que o poder de compra hoje é o segundo mais baixo desde o último mandato do governo Lula. Em novembro de 2021, já no governo Bolsonaro, o poder de compra foi ainda menor em relação à 2011.

Especialistas consultados pelo Comprova apontam também para uma série de falhas na comparação. O valor do salário mínimo na tabela usada para se referir ao governo do PT diz respeito ao ano de 2005, e não 2006, como informado. O número correto é de R$ 350,00, e não R$300,00, conforme afirma o empresário no vídeo, considerando o reajuste que vigorou a partir de abril daquele ano. Atualmente, o valor é corrigido já no mês de janeiro.

Ainda segundo os economistas, o salário mínimo passou por grandes reajustes acima da inflação a partir de 2006, o que torna incoerente a comparação do mês escolhido, quando a nova política ainda não havia sido implementada, com os preços de 2022.

O vídeo aqui verificado também não faz a correção do valor do barril de petróleo para a realidade atual. No período analisado, a inflação acumulada do dólar é de 40%. Na prática, isso quer dizer que o barril de 2006 nos valores de 2022 custa 91 dólares, patamar semelhante à média apurada neste início de ano.

O Comprova classificou o conteúdo como enganoso, porque usa dados imprecisos.

O que diz o autor da publicação: O Comprova entrou em contato com o empresário Luciano Hang pela assessoria de imprensa das lojas Havan. Questionado sobre a escolha do ano de 2006 para elaborar a tabela, o empresário respondeu que "este foi o ano que o ex-presidente Lula foi reeleito para mais um mandato. Era importante trazer dados que reforcem que o país estava longe da prosperidade econômica que as narrativas mentirosas do PT defendiam".

Segundo ele, o objetivo do vídeo "era desconstruir narrativas mentirosas que vêm sendo perpetuadas. Comparamos as informações, visando esclarecer o público. Mesmo usando as informações que vocês colocaram, o resultado mostra ainda mais a péssima gestão do PT no Brasil".

Sobre os dados usados na tabela, Hang afirmou que recorreu à "legislação brasileira para obter as informações e diversos veículos de informação". Foram enviados links de reportagens publicadas na semana do dia 08/03, quando o preço da gasolina apurado pela ANP bateu os R$ 8 em algumas capitais brasileiras e o barril do petróleo se aproximou dos 130 dólares, impulsionado pela guerra na Ucrânia.

O usuário que publicou o vídeo no TikTok não tem mais informações em seu perfil, a não ser seu nome. Conta com 2.924 seguidores e tem três vídeos publicados. Um deles, o trecho da gravação de Luciano Hang, de 14 de março de 2022.

No vídeo original, o empresário menciona que tem quatro postos de gasolina, motivo pelo qual, segundo ele, o faz entender do assunto. Não há informações sobre as fontes usadas para a coleta de dados.

Como verificamos: Recorremos a especialistas na área de combustíveis e economia: Cloviomar Cararine, técnico do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) na Subseção da FUP (Federação Única dos Petroleiros), no Rio de Janeiro, e o professor de economia da USP (Universidade de São Paulo) Paulo Feldmann.

Apuramos, ainda, os valores tabelados pelo DIEESE, ANP (Agência Nacional do Petróleo) e bases de dados do governo americano e Banco Central do Brasil para chegar aos números corretos sugeridos no vídeo.

Valores distorcidos

Na tabela exibida no vídeo e na qual Luciano Hang se refere ao governo do ex-presidente Lula, o empresário utiliza dados incorretos como base para a comparação. De acordo com a ANP, o valor médio da gasolina em 2006 era de R$ 2,55, e não R$ 2,50. Já o salário mínimo em janeiro de 2006 ainda tinha como base o valor de 2005, de R$ 300. O correto, no entanto, segundo os especialistas consultados pelo Comprova, seria considerar o valor vigente para o ano que se iniciava, de R$ 350, adotado a partir de abril.

Com isso, realizando o mesmo cálculo adotado no vídeo (salário mínimo dividido pelo valor do litro da gasolina), um salário mínimo em 2006 permitia a compra de 137 litros de gasolina, e não 120, como informado.

Em relação aos números de 2022, o preço médio da gasolina na semana em que foi feita a gravação era de R$ 6,68 o litro, e não R$ 8. O número escolhido, como o próprio autor cita, diz respeito a um dos valores máximos apurados pela ANP, no Rio de Janeiro, e não ao preço médio encontrado na maior parte dos mais de cinco mil postos consultados pela agência.

Considerando o atual salário mínimo, de R$ 1.212 e usando a mesma lógica de cálculo, o poder de compra é de 181 litros, e não 150. Sendo assim, o atual poder de compra é maior do que o informado por Hang no vídeo.

O técnico do DIEESE Cloviomar Cararine atenta para a escolha temporal do vídeo, que, segundo ele, não informa contextos que poderiam explicar os resultados obtidos. "Faltou ao autor dizer que o salário mínimo vai crescendo acima da inflação justamente a partir de 2006 e, ao mesmo tempo, a gasolina só passa a sofrer grandes reajustes a partir de 2018."

Uma pesquisa realizada pelo DIEESE em 2006, por exemplo, traz que o poder de compra naquele ano foi o maior desde 1979 até então. O levantamento considerou apenas itens da cesta básica, sem incluir o combustível.

Nos anos seguintes, o valor médio da gasolina ficou praticamente estável, enquanto o salário mínimo continuou sendo reajustado, inclusive com aumento real - ou seja, além da inflação. Em 2007, por exemplo, o combustível encerrou o ano a R$ 2,50, segundo a ANP. Naquele ano, o salário mínimo subiu para R$ 380, o que elevou o poder de compra para 152 litros. O gráfico abaixo, elaborado pelo Estadão Verifica, mostra como se deu essa relação ao longo dos últimos governos.

O professor da Faculdade de Economia da USP Paulo Feldmann chama atenção também para o preço do barril de petróleo considerado no vídeo. "Você tem que pegar aquele valor de 2006 e corrigir pela inflação de hoje, porque 61 dólares em 2006 é completamente diferente de 61 dólares hoje. A inflação nos Estados Unidos é de, no mínimo, 2% ao ano. Mas teve anos que foi mais. Nesse ano que passou foi de 7%."

Entre 2006 e 2022, o acumulado da inflação do dólar é de 40%. Com a correção, o preço do barril de petróleo de 2006 nos valores de 2022 é de 91 dólares. Na semana da publicação do vídeo, o valor do produto tipo Brent era de 112 dólares e o do tipo WTI, 107 dólares, impactado pela guerra na Ucrânia. Em janeiro deste ano, no entanto, o barril fechou a 89 dólares. Segundo Paulo Feldmann, os dados mostram que "o barril de petróleo hoje é praticamente o mesmo de 2006".

Outro ponto citado pelo empresário que pode levar a uma distorção da realidade pela falta de correção é o custo da gasolina nas bombas, apesar de não ser considerado no cálculo que avalia o poder de compra. Corrigido pelo IPCA, a inflação oficial do país medida pelo IBGE, o litro do combustível a R$ 2,55 em 2006 equivale a R$ 6,19 em 2022. O número fica próximo da média praticada nos postos atualmente, de R$ 6,68 o litro.

Observando apenas os números, é possível dizer que, atualmente, o poder de compra é, de fato, maior. No entanto, reforçamos que essa conclusão está relacionada a um processo de valorização do salário mínimo que teve início ainda no ano 2000.

Levando em consideração os valores reais da comparação que o vídeo propôs, sem correção pela inflação, teríamos os seguintes dados:

2006

Salário mínimo: R$ 350*

Gasolina comum: R$ 2,55

Barril petróleo: US$ 65

Poder de compra: 137 litros de gasolina comum com um salário mínimo

*A partir de abril

2022

Salário mínimo: R$ 1.212

Gasolina comum: R$ 6,68*

Barril petróleo: US$ 112

Poder de compra: 181 litros de gasolina comum com um salário mínimo

*Valor médio no início de março

Veja a evolução do salário mínimo desde 2000:

Por que investigamos: O Comprova tem o compromisso de investigar conteúdos suspeitos que tenham relação com a pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. A equipe tem como foco as publicações virais, que tiveram grande alcance nas redes sociais e podem causar desinformação.

No TikTok, o vídeo apresentado por Luciano Hang ultrapassou as 72 mil interações até o dia 22 de março. No Instagram do empresário, há um print de tela com os valores apresentados no vídeo. O conteúdo foi postado no dia 11 de março, e a rede social alerta sobre a falha no material. "Falta de contexto. A mesma informação foi analisada por verificadores de fatos", diz o aviso.

O vídeo em questão altera dados oficiais computados por agências independentes, contribuindo para a desinformação sobre assuntos de relevância nacional e que atingem a maior parte da população, como é o caso dos combustíveis.

Alcance da publicação: A conta do TikTok que publicou o recorte viralizado tem pouco mais de 4 mil seguidores, mas o vídeo em questão tem 2 milhões de visualizações, tendo sido curtido por mais de 72 mil pessoas, com 42 mil compartilhamentos no WhatsApp.

O vídeo original, publicado na página oficial de Luciano Hang, conta com 54 mil curtidas e 1,4 milhão de visualizações.

Outras checagens sobre o tema: O mesmo conteúdo foi analisado pelo UOL Confere e pela equipe do Estadão Verifica, que concluíram, assim como o Comprova, que a publicação é enganosa.

Este conteúdo foi investigado por Norte de Notícias, BandNews FM, Jornal do Commercio e o programa de residência do Comprova. A investigação foi verificada por Poder360, CBN Cuiabá, O Dia, SBT, SBT News e Plural Curitiba. A checagem foi publicada no site do Projeto Comprova em 24 de março de 2022.

O Comprova é um projeto integrado por 40 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações suspeitas sobre políticas públicas, eleições presidenciais e a pandemia de covid-19 compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.