Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


Janot não denunciou ministros do STF nem disse que eles seriam presos

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Corrente afirma que Rodrigo Janot tinha plano de denunciar ministros do STF
  • O texto também diz que, segundo Janot, os ministros seriam presos ?um por um?
  • As informações são falsas; Janot não deu estas declarações

Uma corrente que circula pelas redes sociais revela um suposto plano de Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República, de denunciar supostos esquemas de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e afirma que isto os levariam à prisão.

"Serão presos de um por um, me aguardem. E você, Gilmar [Mendes], será o primeiro!!!", teria dito o ex-procurador geral, segundo a corrente compartilhada nas redes sociais e aplicativos de mensagem.

De acordo com o texto que acompanha uma foto de Janot, as declarações que o ex-procurador deu sobre o plano de matar o ministro Gilmar Mendes em 2017 fariam parte de uma estratégia para, na verdade, denunciar os ministros à Polícia Federal.

"Janot inteligentemente jogou a isca e Gilmar Mendes mordeu. Janot achou um jeito de entregar seu computador e seu celular para a Polícia Federal. É tudo o que Janot queria e o Gilmar não esperava. Agora, a PF vai tomar conhecimento de coisas sinistras de muita gente graúda no meio jurídico", diz a corrente. "O STF já deve ter percebido que foi feito de bobinho."

FALSO: Janot não falou que ministros seriam presos

A corrente usa um contexto real para emitir uma informação falsa. Janot de fato afirmou que pensou em matar o ministro Gilmar Mendes, mas nunca falou em informações privilegiadas que levariam à prisão de seus colegas.

Ao UOL, o advogado de Janot, Bruno Salles, negou a informação. "Entramos em contato com o cliente e confirmamos que ele jamais prestou essas declarações", afirmou por e-mail.

Também não há registro público de que o ex-procurador-geral tenha afirmado que os ministros do STF seriam presos "um por um". Em seu Twitter autenticado, a única referência que faz a Gilmar Mendes é o compartilhamento de uma reportagem de novembro de 2017 em que rebate críticas do ministro.

Janot ameaçou Gilmar, mas não de prisão

A corrente começou a ser compartilhada depois que o ex-procurador-geral ter dado uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo em que revelava um plano abandonado para matar Mendes. "Não ia ser ameaça, não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele [Gilmar Mendes] e depois me suicidar", afirmou Janot.

O caso ocorreu em maio de 2017, quando ele, ainda à frente da PGR, solicitou que o ministro do STF fosse impedido de analisar um habeas corpus de Eike Batista, sob a justificativa de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, era sócia de um escritório de advocacia que representava o empresário em diversos processos.

De acordo com Janot, logo após o pedido de suspeição, Gilmar teria espalhado uma história de que a filha do então procurador-geral teria prestado serviços advocatícios à OAS, empreiteira envolvida em casos da Operação Lava Jato. "Isso me tirou do sério", disse na entrevista.

Depois das declarações, a Polícia Federal realizou uma ação de busca e apreensão de equipamentos eletrônicos e armas na casa de Janot. Além disso, ele teve o porte de armas suspenso e está proibido de se aproximar de Mendes e ficar a menos de 200 metros do ministro.

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Mais UOL Confere