PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Mulher filmada com suposto fuzil não é mãe de morto no Jacarezinho

10.mai.2021 - UOL Confere: mulher com suposto fuzil não é mãe de morto no Jacarezinho - Reprodução/Twitter
10.mai.2021 - UOL Confere: mulher com suposto fuzil não é mãe de morto no Jacarezinho Imagem: Reprodução/Twitter

Marcela Lemos e Beatriz Montesanti

Colaboração para o UOL, no Rio e em São Paulo

11/05/2021 18h34

A mulher que aparece segurando um suposto fuzil em um vídeo que circula nas redes sociais não é a mãe de um dos mortos na recente ação policial na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio, apurou o UOL.

A reportagem conversou hoje (11) com Rosana do Carmo, moradora de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que reconheceu ser a mulher que dança com o suposto fuzil na mão.

Segundo Rosana, o fuzil que aparece nas imagens é uma arma de airsoft — ou seja, uma réplica de um fuzil verdadeiro, mas que na verdade é uma arma de pressão. Rosana disse que o fuzil de airsoft pertence a seus netos.

Já a mulher que aparece protestando é Adriana Rodrigues, mãe de um dos 28 mortos no Jacarezinho na quinta-feira (6). Em entrevista à TV Globo, Adriana negou ser a mulher retratada na gravação e disse estar sofrendo ameaças nas redes sociais devido à comparação. Ela também fez o desmentido ao programa "Domingo Espetacular", da Record.

As imagens de Rosana dançando com o suposto fuzil já haviam sido mostradas no final de abril no programa "Melhor da Tarde", da Band. Nele, os apresentadores dizem ter consultado um delegado segundo o qual o fuzil poderia não ser de verdade, já que uma verdadeira arma deste tipo, em tese, não poderia ser erguida com tanta facilidade.

Políticos compartilham vídeo

O UOL Confere encontrou pelo menos duas postagens do vídeo com as alegações falsas no Facebook. Em uma delas, feita pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), o vídeo tinha mais de 535 mil visualizações até o começo da noite desta terça. No outro post, as imagens passavam de 258 mil visualizações.

No Twitter, o deputado estadual paulista Gil Diniz (sem partido) publicou um vídeo com a alegação falsa, atraindo 41 mil visualizações e 2,5 mil retweets até a noite de segunda. O ativista de direita Allan dos Santos também postou um vídeo com o mesmo teor, que recebeu 71 mil visualizações e 3,3 mil retweets.

Este vídeo também foi checado por Aos Fatos, Estadão Verifica, Fato ou Fake e Boatos.org.

UOL Confere