É falso que vazou vídeo 'apagado por Dino' sobre 8 de janeiro

Não é verdade que um vídeo que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, "mandou apagar" tenha vazado nas redes sociais. Imagens do post foram gravadas por terceiros e divulgadas pela imprensa e estão disponíveis na internet.

Não são, portanto, parte das imagens das câmeras de segurança que foram apagadas.

O que diz o post

Vídeo que mostra a ação do Exército e de policiais durante a invasão às sedes dos Três Poderes em Brasília no dia 8 de janeiro de 2023 é compartilhada com a seguinte legenda sobreposta: "taí vídeo que Dino mandou apagar"

Por que é falso

As imagens usadas no post desinformativo possuem a logo do portal Metrópoles e estão disponíveis no site do portal (veja aqui), em matéria com o título "coronel do Exército tenta impedir PM de prender vândalos no Planalto". A matéria foi publicada no dia 9 de janeiro de 2023.

As mesmas imagens também foram divulgadas pelo UOL. Veja abaixo:

Imagens que foram perdidas são gravações das câmeras de segurança que não faziam parte do inquérito policial.

Ao UOL Confere, o Ministério da Justiça e Segurança Pública disse que o "o ministro Flávio Dino jamais ordenou apagamento de imagens do 8 de janeiro, ou de qualquer outra data". O ministério afirma ainda que o vídeo usado nos posts desinformativos foi gravado por policiais militares do Distrito Federal no Palácio do Planalto.

Continua após a publicidade

O MJSP lamenta a campanha orquestrada por setores extremistas, com disseminação intensa de mensagens falsas e criminosas, com o intuito de manchar o trabalho realizado pelos integrantes deste Ministério. Ministério da Justiça e Segurança Pública

Imagens apagadas

Na CPMI do 8 de janeiro, parlamentares solicitaram que o Ministério da Justiça disponibilizasse as imagens de câmeras de segurança da sede do Palácio da Justiça no dia da invasão dos golpistas (veja aqui e aqui);

Após decisão do ministro Alexandre de Moraes autorizando que o Ministério da Justiça compartilhasse as imagens (veja aqui), parlamentares argumentaram que o material estava incompleto (leia aqui);

Em ofício enviado à CPMI, o Ministério da Justiça disse que foram preservados apenas os vídeos incluídos como provas no inquérito da Polícia Federal, e que as demais imagens foram apagadas após 30 dias, como prevê o contrato com a empresa terceirizada responsável pelas imagens das câmeras de segurança (leia aqui). O ministro também falou sobre isso em uma coletiva de imprensa (veja aqui).

A ministra Regina Helena, do STJ, negou uma liminar solicitada pelos parlamentares para obrigar o Ministério da Justiça a fornecer todo o material gravado pelas câmeras de segurança do Ministério entre os dias 7 de 9 de janeiro (veja aqui). Para a ministra, não ficou demonstrada deliberada omissão do ministro Flávio Dino no fornecimento das imagens (veja aqui o processo).

Continua após a publicidade

Este conteúdo também foi checado por Aos Fatos.

Sugestões de checagens podem ser enviadas para o WhatsApp (11) 97684-6049 ou para o email uolconfere@uol.com.br.

Fabíola Cidral conta como reconhecer logo de cara uma fake news

Siga UOL Notícias no
UOL Confere

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes