Topo

Secretaria considera "absurda" ação do MPF e insinua motivação eleitoral

Do UOL, em São Paulo

26/07/2012 18h47Atualizada em 26/07/2012 18h53

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) repudiou a posição do procurador da República Matheus Baraldi Magnani, que pediu ao governo de São Paulo que substitua o comando da Polícia Militar em resposta aos recentes casos onde há suspeita de irregularidades na atuação de policiais.

O argumento do MPF é que o comando da PM perdeu o controle da situação. Hoje, o procurador declarou ainda que “a Polícia Militar perdeu o controle dos praças, ensinando-os a usar a violência”. 

Em nota, a SSP afirmou que a posição do procurador é “absurda e capciosa” e que Magnani “explora dois casos isolados para tentar distorcer a percepção da opinião pública”, disse o órgão, referindo-se às mortes do publicitário Ricardo Prudente de Aquino, 39, na zona oeste de São Paulo, do jovem Bruno Vicente de Gouveia e Viana, 19, em Santos, ambas provocadas por PMs no ultimo dia 18.

Na mesma nota, a secretaria insinua que a posição defendida por Magnani tenha motivação eleitoral. “Estranhamente, o posicionamento do procurador coincide com o momento pré-eleitoral”.

A assessoria de imprensa do órgão informou que o secretário Antonio Ferreira Pinto fará uma representação contra o procurador na Corregedoria do MPF.

Por fim, em sua nota de repúdio, a SSP pede que o MPF ajude a combater a criminalidade.

“Espera-se que o MPF haja com eficiência contra duas das causas principais da criminalidade nos Estados: o contrabando de armas e de drogas que entram pelas mal patrulhadas fronteiras do país”, afirma a secretaria, criticando implicitamente o governo federal, responsável pelo patrulhamento das fronteiras.

Em 13 de junho deste ano teve início uma onda de violência no Estado, com registro de ataques a ônibus e bases da polícia, chacinas e confrontos entre policiais e suspeitos.

Nos últimos dias, a PM tem participado de uma série de ocorrências violentas que levantaram polêmicas sobre a atuação da corporação.

Onda de violência

Dados divulgados ontem pela Secretaria de Segurança Pública mostraram que o número de crimes violentos, entre eles homicídios dolosos e roubos de veículos, aumentou no Estado, na comparação entre o segundo trimestre de 2012 com o mesmo período de 2011.

PM vai à casa de pais de publicitário morto e pede desculpas

 

Na capital paulista, o aumento da violência foi maior: o número de ocorrências de homicídios dolosos aumentou 27,2% no segundo trimestre de 2012, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Além do pedido ao governo do Estado, o procurador pretende fazer uma representação para que o MPF possa acompanhar, por 12 meses, a situação da segurança pública em São Paulo. Ele sugeriu ainda que sejam protocolados pedidos de federalização dos crimes não esclarecidos pelo Estado. 

“O que mais indigna o Ministério Público é o uso da violência por mero prazer por parte dos PMs”, completou o procurador, após citar o caso de um suspeito que não tinha antecedentes criminais e foi espancado e morto por policiais na frente da mãe, na zona norte da capital paulista.

 

Cotidiano