PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Passarela que desabou na Linha Amarela, no Rio, será cortada ao meio

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

28/01/2014 13h25

A passarela que desabou na Linha Amarela, nesta terça-feira (28), no Rio de Janeiro, após ser atingida por um caminhão --quatro pessoas morreram no acidente-- será cortada ao meio para que guindastes possam retirar a estrutura da via.

Segundo operários que trabalham no local, o corte é necessário para não danificar as máquinas. O táxi atingido em cheio pela queda das ferragens continuava preso sob a passarela no início da tarde. O procedimento deve levar cerca de uma hora.

Vídeo mostra momento que carreta atinge passarela no Rio

Acidente aconteceu na manhã desta terça (28)

Uma passarela desabou sobre a Linha Amarela, importante via expressa do Rio de Janeiro, na manhã desta terça-feira (28), depois que um caminhão colidiu com a estrutura.

Os quatro mortos são o motorista de um táxi e o motorista de um Palio prata (atingidos pela estrutura) e duas pessoas que estavam passando a pé pela passarela no momento em que a estrutura foi atingida. As vítimas foram identificadas pelos bombeiros como Célia Maria, 64, Adriano P. Oliveira, 26, Renato P. Soares, 62, e Alexandre G. Almeida.

O acidente aconteceu por volta das 9h15, entre os acessos 4 e 5, no bairro de Pilares, na zona norte. Segundo a Lamsa, concessionária que administra a via, um caminhão que tinha mais de 4,5 metros, limite de altura da passarela, bateu na estrutura, causando sua queda.

Dois veículos que passavam pela via foram esmagados, e pessoas ficaram presas às ferragens.  Equipes de resgate da concessionária e do Corpo de Bombeiros, com o auxílio de dois helicópteros, foram acionadas para socorrer as vítimas.

Em nota, a concessionária afirmou que "está prestando toda assistência aos familiares das vítimas".

O veículo prestava serviço para a empresa Arco da Aliança. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou que o caminhão não deveria estar circulando pela via, que possui restrição para a circulação de caminhões e carretas.

Além disso, o secretário de Conservação e Serviços Públicos do Rio , Marcus Belchior, afirmou que o caminhão não prestava serviço para a prefeitura. Dessa forma, a empresa não poderia usar o logotipo da administração municipal, conforme relatado por testemunhas.

Veja onde fica o local da queda da passarela

  • Arte/UOL

A passagem de pedestres era usada como via de acesso pelos moradores da favela Rato Molhado e por pessoas que iam ao Norte Shopping, o maior centro comercial na zona norte da capital fluminense.

Feridos

Um dos feridos no acidente teve traumatismo craniano e está em coma. Luiz Carlos Guimarães, 60, foi levado para o hospital Salgado Filho, no Méier, na zona norte da cidade. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele teve fratura nas costas, está em coma e respira com a ajuda de aparelhos. 
 
Também teve traumatismo craniano Jairo Zenaide, 44. Ele foi socorrido em estado grave para o hospital Geral de Bonsucesso. Segundo a assessoria de comunicação da unidade de saúde, ele teve fraturas na coluna e nos braços.
 
O motorista do caminhão, Luis Fernando Costa, 30, foi socorrido para o hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, e está lúcido. Ele foi submetido a tomografia de tórax, abdômen e pelve e não sofreu fraturas.
 
Liliane de Souza Rangel, 33, foi levada para o hospital Souza Aguiar, no centro da cidade. Ela sofreu fratura na bacia e será submetida a cirurgia. O estado de saúde dela é estável.
 
Gláucia Pereira de Andrade, 56, foi socorrida para o hospital estadual Alberto Torres. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, ela teve fratura no joelho e escoriações, e seu estado de saúde é estável.

Um quinto ferido, Jairo Z., 44, foi levado para o hospital Geral de Bonsucesso. Ainda não se sabe o estado de saúde dele. 

"Coisa de filme"

A igreja evangélica do pastor Olair Oliveira dos Santos fica a menos de um quarteirão da passarela. Ele relata que a comunidade Águias de Ouro viveu momentos de terror com o acidente que causou a morte de quatro pessoas e a destruição da passagem.

"Estava na igreja estudando e ouvi um estrondo enorme. Parecia que o céu havia desabado sobre nossas cabeças. Aí saí da igreja e percebi que a passarela tinha caído", disse o pastor. "Foi uma cena de horror. Parecia filme."

Interdição

O trânsito nas oito pistas da via está interrompido nos dois sentidos, sem previsão para liberação. Todos os acessos da Linha Amarela estão fechados, segundo a Lamsa.

De acordo com o Centro de Operações do Rio, os motoristas podem transitar na via, no sentido Barra da Tijuca, até a altura de Bonsucesso, sendo obrigados a acessar a avenida dos Democráticos pela saída  4. No sentido centro, o desvio está sendo feito pela saída 5 com os motoristas acessando à avenida Dom Helder Câmara.

O Centro de Operações sugere que os motoristas usem como opção a avenida Brasil, a estrada Grajaú-Jacarepaguá, a autoestrada Lagoa-Barra e o Alto da Boa Vista.

Ainda de acordo com o Centro de Operações, foi acionado um "superguindaste" para ajudar no trabalho de retirada da passarela.

Cotidiano