PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PM que liderou confronto no metrô Ana Rosa se diz 'a favor dos grevistas'

Histórico de greves no metrô

  • 23.mai.2012

  • 2 e 3.ago.2007

  • 14.jun.2007

  • 15.ago.2006

  • 17 e 18.jun.2003

  • 25 e 26.jun.2001

  • 2.jun.2000

  • 9.dez.1999

  • 24.nov.1999

Do UOL, em São Paulo

06/06/2014 12h01

O capitão da Polícia Militar de São Paulo Snay Nanni, um dos responsáveis pela ação da tropa na estação do metrô Ana Rosa (linha 2-verde) na manhã desta sexta-feira (6), que terminou com confronto entre policiais e metroviários grevistas, afirmou que "nós [PMs] somos a favor do movimento grevista".

Durante a ação, os PMs de diferentes batalhões dispararam balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar o que o secretário estadual dos Transportes, Jurandir Fernandes, chamou de "piquete desnecessário" e uma "radicalização do movimento".

"Eles tomaram conta da estação e estavam impedindo que a população usasse o trem livremente. Então, nós fomos acionados para garantir o direito de ir e vir das pessoas, até para preservar os direitos deles", afirmou Nanni.

A Polícia Militar não quis informar quantos policiais participaram da operação na Ana Rosa nem em outras estações. Fernandes informou também que as estações Bresser e Ana Rosa funcionam como porta de entrada para os funcionários que iriam operar o transporte, o que justificaria a presença da tropa nos locais.

Trânsito

No segundo dia de greve no metrô e com o rodízio suspenso, a cidade de São Paulo bateu um novo recorde de congestionamento no trânsito em 2014 para o período da manhã, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Raio-X dos Metroviários

  • 9.475 funcionários

    3.136 operadores, 1.206 manutenção, 1.147 seguranças, 1.016 técnicos

  • Piso

    R$ 1.323,55

  • Orçamento do sindicato

    R$ 5,5 milhões/ano

  • Data-base

    1º de maio

Negociações

  • Reivindicação dos metroviários

    12,2%, reivindicação anterior era de 16,5%

  • Proposta do governo do Estado

    8,7%, proposta anterior era de 7,8%

  • Decisão da Justiça

    8,7% foi o percentual decidido pelo TRT

  • Último reajuste concedido

    8%, ante INPC de 7,2%, no ano passado

Cotidiano