Topo

Bolsonaro diz que "questão da Vale não tem nada a ver" com governo federal

Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

25/01/2019 18h00

Em entrevista a uma rádio de Brumadinho (MG), cidade da região metropolitana a 60 km de Belo Horizonte que foi atingida nesta quinta-feira (25) pelo rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a se solidarizar com as possíveis vítimas do acidente, mas afirmou que o governo federal "não tem nada a ver" com o que chamou de "a questão" da empresa.

Depois de dizer que "lamenta profundamente o ocorrido", Bolsonaro classificou o desastre como um "acidente. "A gente sabe que, a princípio, esse tipo de acidente pode ser evitado, sim", declarou.

Questionado por telefone pelo repórter da Rádio Regional sobre o impacto ambiental do acidente de hoje como o ocorrido na tragédia de Mariana, também em Minas Gerais, há mais de três anos, e qual o pensamento sobre o futuro da mineração no país, Bolsonaro respondeu que não quer "começar a culpar os outros pelo que está acontecendo".

"Mas algo está sendo feito errado ao longo dos tempos", continuou, acrescentando que o novo ministro das Minas e Energia, o almirante Bento Costa Lima Leite, "sequer teve ainda como montar uma boa administração que vai particularizar a operação dessas áreas que cabem a ele".

Em seguida, isentou a própria administração de responsabilidade. "Se bem que a questão da Vale do Rio Doce não tem nada a ver com o governo federal", disse.

Logo depois, no entanto, ele lembrou que "apenas cabe a nós a fiscalização, por parte do Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis], que é um órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, e buscar meios para se antecipar a problemas".

"Mas esses meios partem primeiramente da empresa que executa a obra, e só em Minas são 450 represas parecidas, como essa, e no Brasil todo são quase 1.000. Então é um número enorme", declarou. Nesse momento, a ligação caiu.

Antes, Bolsonaro havia apontado que existem, só em Minas Gerais, em torno de 450 represas que acumulam resíduos que vem da mineração.

"Bem, dado o ocorrido, lamentamos mais uma vez. Inclusive, há a possibilidade de ser mais grave do que a gente está pensando porque atingiu, sim, o refeitório de funcionários da Vale", afirmou.

O presidente explicou ainda que determinou a ida dos ministros do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do secretário nacional da Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, até a região.

Além deles, o ministro de Minas e Energia também estava viajando para o local, "juntamente com o presidente da Vale, [...] para tentar diminuir, obviamente, o impacto dessa tragédia sejam postas em prática rapidamente".

Ele contou ainda que acionou um gabinete de crise em Brasília. "Ficaremos aí antenados 24 horas por dia pra prestar informações à população, para colher informação também, de modo que nós possamos aí minimizar mais essa tragédia", afirmou.

"Depois da de Mariana, que a gente esperava que não tivesse uma outra, né?, até por uma questão de servir de alerta aquela, mas infelizmente temos um problema agora que atingiu o rio Paraopebas, que é um afluente do rio são Francisco. Então vamos tentar diminuir o tamanho do mal que essa barragem aí, ao se romper, proporciona junto ao meio ambiente e junto à população de maneira geral", declarou.

Cotidiano