PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Acusado de jogar ácido em ex-mulher em Alagoas é preso após ordem judicial

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

27/02/2019 21h26

A Polícia Civil de Alagoas prendeu, na tarde de hoje, o homem acusado de jogar ácido nos rostos da ex-mulher e da ex-cunhada. As motivações seriam ciúmes da ex-companheira e dificuldade para aceitar o fim do relacionamento.

Segundo as autoridades, José Gilbenes dos Santos Galvão, 48, foi detido em um carro, enquanto se preparava para fugir.

O ataque com ácido aconteceu no último sábado. As irmãs Erivânia Vicente dos Santos, 36, e Erineide Vicente dos Santos, 32, entravam numa loja de roupas em Marechal Deodoro (AL), na região metropolitana de Maceió, quando foram abordadas pelo acusado. Elas permanecem internadas no HGE (Hospital Geral do Estado), em Maceió, com queimaduras de primeiro e segundo graus.

O acusado está preso na delegacia de Marechal Deodoro e aguarda ser transferido para uma unidade do sistema prisional de Alagoas. Ele vai responder por tentativa de feminicídio e lesão corporal, no âmbito da Lei Maria da Penha.

Em depoimento à polícia, o acusado admitiu que jogou ácido na ex-mulher, mas afirmou que não premeditou o ataque. Ele disse ao delegado Leonam Pinheiro que viu a ex-mulher com um rapaz e teve crise de ciúmes. A cunhada foi atingida por estar próxima. 

O ataque

Câmeras do sistema de segurança da loja registraram o momento que Galvão ataca a ex-mulher.  

Nas imagens, Erivânia e Erineide estão na calçada da loja quando são surpreendidas por Galvão, que leva uma sacola nas mãos. O homem joga uma substância contra as duas e segura o braço de Erivânia, que corre para o interior do estabelecimento.

As imagens mostram que o acusado continua jogando a substância na cabeça da ex-mulher antes de sair tranquilamente da loja. Ele deixou na calçada a sacola com uma garrafa, apreendida pela polícia e enviada para análise.

A família de Erivânia contou que José Gilbenes dos Santos Galvão não aceitava o fim do relacionamento, que durou oito meses. Ele já teria seguido a ex-mulher outras vezes quando ela saia do trabalho.

Erivânia e Erineide estão internadas no Centro de Tratamento de Queimados do HGE, sem previsão de alta. Erivânia sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus na face, no couro cabeludo e no dorso. Já Erineide teve queimaduras de primeiro e segundo graus na face e punho. As outras duas pessoas atingidas também no ataque criminoso foram atendidas no sábado e já receberam alta. Os nomes delas não foram informados pelo hospital.

Ontem, o advogado Augusto Granjeiro, que acompanhou o acusado na delegacia de Marechal Deodoro, deixou o caso alegando que se sentia "desconfortável" em continuar trabalhando na defesa de Galvão:

Depois de presenciar uma mãe lamentar por suas filhas, não me sinto à vontade de ser imparcial. Sou pai, sou marido, sou irmão, sou amigo. Tenho mulheres que são base da minha vida e não concordariam em dar continuidade a esse caso.

Cotidiano