Topo

Polícia prende 4º suspeito por roubo de ouro no aeroporto de Guarulhos

Criminosos roubam carga com ouro de dentro do aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos - 25.jul.2019 - Reprodução
Criminosos roubam carga com ouro de dentro do aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos Imagem: 25.jul.2019 - Reprodução

Marcela Leite

Do UOL, em São Paulo

03/08/2019 19h14

Policiais do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) prenderam o quarto suspeito de participar do roubo de 720 kg de ouro que estavam em um carro-forte no terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, na tarde de 25 de julho. Segundo a polícia, a carga corresponde a cerca de R$ 110 milhões.

Gravada por câmeras de segurança, a ação dos criminosos durou menos de cinco minutos, entre a entrada dos criminosos no local e a fuga, de acordo com policiais federais. Não houve tiroteio e ninguém ficou ferido.

Depois de clonarem dois carros com adesivos da Polícia Federal, munidos de armas de grosso calibre, balaclavas e coletes à prova de balas, os homens obrigaram funcionários do terminal a colocarem o ouro nos veículos. De acordo com a polícia, ao menos dez pessoas participaram do crime.

O terceiro suspeito foi preso na última segunda-feira (29), com um carregador de fuzil contendo 31 projéteis calibre .762mm, de uso restrito. A Polícia Civil de São Paulo acredita que ele pode ter oferecido a logística para o transbordo da carga para outros veículos.

Falsos policiais roubam carga de ouro no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos

UOL Notícias

Peterson Patrício, funcionário do aeroporto que afirmou ter sido feito refém pelos criminosos durante a ação, é outro suspeito e foi preso depois de a Justiça acatar um pedido de prisão preventiva. O outro homem que pode ter participado da ação é Peterson Brasil, também funcionário do aeroporto, que seria o homem que convidou o suposto refém para participar do crime, também está na prisão.

Na última quinta-feira (1º), a Justiça prorrogou as prisões temporárias dos três.

Sequestro na véspera

Um dia antes do assalto ao terminal de cargas, segundo relatou à polícia, Patrício disse que tinha acabado de sair de casa na Vila Ester, zona leste da capital, acompanhado da mulher, quando foi abordado por um homem armado que dirigia uma ambulância. A mulher foi obrigada a entrar no veículo e foi levada.

Em depoimento à polícia, Patrício teria contado que um outro homem ficou ao seu lado na rua e disse: "A gente já sabe sua função lá no aeroporto. Queremos que você nos leve até a carga de ouro, que a gente sabe que vai chegar, que vai ser entregue tal dia, tal hora". Com a mulher sequestrada, Patrício disse ter seguido todas as orientações dos criminosos, inclusive não acionando a polícia.

No dia seguinte ao início do sequestro, Patrício foi trabalhar e foi orientado a agir normalmente. Sua função no plano era ajudar a quadrilha a entrar no terminal de carga e indicar onde estava o ouro.

Mais Cotidiano