PUBLICIDADE
Topo

Por decisão do STF, mulher de "coordenador de armas" do PCC é solta

Alex Tajra e Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

19/12/2019 19h12

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), acatou um pedido de liberdade de Jézia Silva Souza, conhecida como "Geisa". Ela namora Weliton Xavier dos Santos, o "Capuava", um dos responsáveis por coordenar a movimentação das armas do PCC (Primeiro Comando da Capital), segundo investigações da polícia.

A decisão de Marco Aurélio foi publicada no último dia 5, e o alvará de soltura para Geisa foi expedido no dia seguinte, segundo apurou o UOL. A reportagem teve acesso a trechos do processo, que corre sob segredo de Justiça.

Geisa e Capuava haviam sido presos em março do ano passado após operação conjunta da PM (Polícia Militar) e da Polícia Civil em uma chácara de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.

Durante a ação, Capuava e quatro integrantes do PCC — entre eles Geisa — tentaram fugir em um Chevrolet Montana preto por uma estrada de terra. O carro capotou, os cinco criminosos foram presos em flagrante e encaminhados ao Denarc (Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico).

Geisa foi condenada em primeira instância a 33 anos de reclusão e multa por tráfico de drogas, associação criminosa e porte ilegal de arma. No mesmo processo, Capuava foi condenado a 57 anos e multa.

Na sentença à época da prisão, o juiz negou a possibilidade de os réus recorrerem em liberdade. No caso de Geisa, ela foi mantida em prisão preventiva porque a condenação foi na primeira instância.

Após a decisão de Marco Aurélio, outros réus no processo requereram um "pedido de extensão" da decisão que concedeu habeas corpus para Geisa.

1,6 tonelada de cocaína

Capuava havia sido detido em 18 de julho de 2015 com 1,6 tonelada de cocaína e 898 quilos de aditivos químicos para produção da droga no município de Santa Isabel (Grande São Paulo), além de munição pesada, como um fuzil .50.

À época, o então secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes (atualmente ministro do Supremo Tribunal Federal), afirmou que Capuava era o maior traficante de São Paulo e que sua prisão havia sido um duro golpe contra a maior facção criminosa do país.

Em 5 de agosto daquele ano, contudo, Capuava foi colocado em liberdade após ter um habeas corpus concedido pelo desembargador do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) Otavio Henrique de Sousa Lima, que justificou falta de elementos e fragilidade de seu envolvimento com o crime.

Nove dias depois, a 2ª Vara da Comarca de Santa Isabel decretou a prisão preventiva de Capuava pelos mesmos fatos: tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ele permaneceu foragido até março do ano passado, quando foi detido junto com Geisa na operação Mogi das Cruzes.

Segurança pública