PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses
PR: Casal desaparecido estaria esperando outro bebê, diz família

Rubens Biguetti Junior e Kawanny Cleve - Arquivo pessoal
Rubens Biguetti Junior e Kawanny Cleve Imagem: Arquivo pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa

12/08/2020 18h46Atualizada em 13/08/2020 12h31

O casal Kawanny Cleve, de 23 anos, e Rubens Biguetti Junior, de 29, desaparecido desde 3 de agosto em Goioerê, no Paraná, estaria esperando outro bebê, disse a família. Os dois saíram de casa com o filho de 4 meses e não retornaram nem entraram mais em contato. A criança foi encontrada na noite do desaparecimento em frente a uma residência. A Polícia Civil abriu inquérito e já tem suspeitos de envolvimento no caso.

De acordo com a mãe de Kawanny, a enfermeira Leya Grejanin, a aflição da família aumentou depois que uma parente revelou que a vítima desaparecida estaria esperando o segundo filho. A mãe acredita que Kawanny esperava o momento certo para contar sobre a gravidez ao restante dos familiares.

"Para mim, especificamente, a Kawanny não revelou porque eu sempre pedia que colocasse o DIU após o nascimento do primeiro filho e pelo fato de o neném dela ainda ser muito novo. Ela falou da gravidez para a irmã do marido dela. Não chegou a dizer com quantos meses, apenas que estava grávida. Eu vi essa cunhada anteontem muito rápido e me contou. Isso agora nos deixa mais aflitos porque são três pessoas", confirmou a mãe.

O primeiro filho do casal é um menino. Ele foi encontrado enrolado em uma coberta em frente a uma residência de uma mulher sem qualquer ligação com a família. A moradora acionou o Conselho Tutelar de Goioerê, que conseguiu encontrar a avó materna. O bebê não sofreu nenhum ferimento e passa bem.

No dia seguinte, a Polícia Civil encontrou o carro do casal em Moreira Sales, cidade a 26 quilômetros. A perícia não conseguiu localizar nenhum vestígio orgânico e/ou biológico do casal no veículo, apenas objetos pessoais incinerados.

O imóvel do casal também chegou a ser invadido, mas a polícia descartou relação com o desaparecimento.

Casal teria sido atraído para cachoeira

A mãe contou que, no dia do desparecimento, o casal teria sido atraído para uma cachoeira no rio Piquiri, região rural de Goioerê. Esse teria sido o último lugar que a família de Kawanny e Junior teve informações sobre o paradeiro deles. Os parentes acreditam que alguém teria atraído o casal para o lugar.

"É um espaço que sempre frequentavam antes de terem o bebê, mas depois do nascimento não foram mais. Cremos que foram chamados para encontrar alguém", ratificou a mãe da jovem.

Família oferta R$ 5.000 como recompensa

Desesperados, os parentes de Kawanny e Junior arrecadaram dinheiro para ofertarem como recompensa. Eles publicaram na segunda-feira (10) nas redes sociais que estão ofertando R$ 5.000 para quem der informações concretas sobre o paradeiro do casal.

Além dos próprios familiares, as buscas têm apoio de um helicóptero do GOA (Grupo de Operações Aéreas) e do Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial) - especializado em investigações de sequestros. Ambos são da Polícia Civil.

Polícia Civil tem suspeitos e investiga possível vingança

O inquérito aberto para investigar o desaparecimento já ouviu oito pessoas entre parentes e conhecidos do casal. Segundo o delegado Hélio Nunes, os procedimentos se desdobram de forma paralela entre as buscas, causas do desaparecimento e possíveis envolvidos. A Polícia Civil já tem mais de uma pessoa com possibilidade de participação no caso.

"Estamos trabalhando com a hipótese de vingança pela forma como crime ocorreu, a exemplo do bebê abandonado e o veículo incinerado. Apesar de passagem pela polícia do casal, essa vingança não estaria relacionada a esse passado. Já temos possíveis suspeitos e seria mais de um envolvido, mas não podemos divulgar nada a mais sobre eles e outras medidas adotadas para não atrapalhar", afirmou o delegado.

Cotidiano