PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo

Jornal: Queiroz é alvo de inquéritos por mortes em operações quando era PM

Queiroz, que está em prisão domiciliar por causa da investigação de "rachadinhas", tem inquéritos abertos sobre mortes durante sua atuação na polícia - Wilton Junior/Estadão Conteúdo
Queiroz, que está em prisão domiciliar por causa da investigação de 'rachadinhas', tem inquéritos abertos sobre mortes durante sua atuação na polícia Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/08/2020 09h24Atualizada em 17/08/2020 10h17

A atuação de Fabrício Queiroz, ex-assessor do vereador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em operações policiais na época em que ele era sargento é alvo de ao menos dois inquéritos da Polícia Civil. Adriano da Nóbrega, miliciano morto que era tenente da corporação à época, também é investigado em um dos casos.

As investigações fazem parte dos 553 inquéritos abertos pela polícia entre 2000 e 2005 sobre 784 mortes durante operações policiais que ainda estão sem resolução. O número foi obtido pelo jornal Extra via Lei de Acesso à Informação.

Um dos inquéritos que investigam Queiroz refere-se a uma operação que aconteceu no dia 13 de maio de 2003. O 18º BPM (Batalhão da Polícia Militar) de Jacarepaguá conduziu a ação na Cidade de Deus. A operação culminou na morte de Anderson Rosa de Souza, 29. Os policiais envolvidos eram o sargento Fabrício Queiroz e o tenente Adriano da Nóbrega.

Segundo o jornal, até hoje, a 32ª DP de Taquara não realizou perícia nos fuzis dos policiais, nem ouviu parentes da vítima. Isso 17 anos depois da morte na operação. O inquérito teria ouvido somente os dois investigados.

O promotor Cláudio Calo disse que causa perplexidade os fuzis não terem sido periciados e estranheza pela "falta de juntada [peças processuais] dos antecedentes criminais dos policiais".

Adriano foi expulso da polícia anos depois por envolvimento com milicianos. Investigado pela morte da vereadora Marielle Franco (Psol), em março de 2018, ele foi morto em fevereiro deste ano na Bahia, durante confronto policial.

Queiroz está em prisão domiciliar desde julho depois de uma operação da polícia. Ele estava em Atibaia, cidade do interior de São Paulo, quando foi preso em 18 de junho. Queiroz é apontado como chefe de um esquema de "rachadinhas " no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), quando o parlamentar ainda era deputado estadual.

Mais um caso

Fabrício Queiroz tem mais um inquérito sobre morte em serviço. O caso ocorreu em 2002, em uma operação do 18º BPM, com a morte de Gênesis Luiz Conceição da Silva.

O então sargento foi um dos que atirou. De acordo com o jornal, ele nunca foi ouvido e o inquérito está em sua fase final.

Envolvimento de Ronnie Lessa

Outra investigação, essa sobre a morte de Dálber Virgílio da Silva e Luiz Fernando Aniceto Alves, em 2000, levou a uma denúncia contra Ronnie Lessa - PM reformado e acusado de matar Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes - e mais dois agentes.

O caso ocorreu em 2000 e uma testemunha foi achada mais de 18 anos depois.

O inquérito prosseguiu e Lessa foi denunciado pelos homicídios duas semanas atrás.

Cotidiano