PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses
Facções voltam a trocar tiros após morte de mulher e sequestros no Rio

Herculano Barreto Filho, Igor Mello e Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

27/08/2020 14h34

Confrontos entre facções rivais no Complexo do São Carlos, no bairro do Rio Comprido, na região central do Rio, que começaram ontem à noite, voltaram a acontecer hoje à tarde. O conflito é decorrente de uma tentativa de invasão de traficantes rivais para tomada do conjunto de favelas. Até agora, ao menos duas pessoas morreram e seis foram baleadas.

Também na tarde de hoje, uma mulher foi feita refém no interior de um imóvel, onde quatro traficantes buscaram abrigo durante fuga. Ontem, em meio a um tiroteio na região, uma mulher, que tentava proteger o filho de 3 anos, morreu e, na madrugada desta quinta (27), uma família foi também feita refém em um condomínio. Na Lagoa Rodrigo de Freitas (zona sul), a polícia prendeu ontem dois homens com fuzil e granadas que também teriam relação com a invasão do São Carlos.

Além de Ana Cristina da Silva, que morreu protegendo o filho, um homem ainda não identificado também veio a óbito. Entre os feridos, estão três suspeitos e outras três vítimas de bala perdida. Dois dos supostos traficantes estão internados no Hospital Souza Aguiar, sob custódia da PM-RJ. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dos feridos.

Moradores relataram na tarde de hoje disparos de armas de grosso calibre e até granadas. Equipes de reportagem ficaram no meio do fogo cruzado. Viaturas da Polícia Militar do Rio e um blindado, o chamado Caveirão, foram ao local. Helicópteros da polícia sobrevoaram a área.

Também hoje à tarde, o Bope negociou a rendição de supostos traficantes. Quatro homens que faziam uma mulher refém se entregaram. Não houve troca de tiros. Policiais chegaram a interditar parte da rua Maia Lacerda, que fica no entorno do São Carlos, e liga os bairros do Estácio e do Rio Comprido.

Polícia Civil detectou plano de invasão há 2 semanas

A Secretaria de Estado de Polícia Civil informou que há cerca de duas semanas o setor de inteligência da 6ª DP (Cidade Nova) detectou movimentação de traficantes de uma facção que pretendiam tomar o território de comunidades que fazem parte do Complexo do São Carlos.

Segundo a polícia, na ocasião, não foi possível definir a data e o horário da invasão, que teve início na tarde de ontem. A informação foi então repassada à Inteligência da Polícia Militar.

Mãe morre ao proteger filho durante tiroteio

O filho de Ana Cristina da Silva, 25, que morreu ao ser atingida por tiros de fuzil na noite de ontem em meio ao fogo cruzado de traficantes de facções rivais no bairro do Rio Comprido, zona norte do Rio, ainda não sabe que a mãe morreu. A vítima se atirou sobre o filho de 3 anos para protegê-lo dos disparos enquanto tentava embarcar em um veículo de vizinhos para sair do local do conflito.

Ana Cristina da Silva morreu ao tentar proteger o filho em meio a um tiroteio no acesso ao São Carlos - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
Ana Cristina da Silva morreu ao tentar proteger o filho em meio a um tiroteio no acesso ao São Carlos
Imagem: Reprodução/TV Globo

"Ele fica perguntando: 'Quando a minha mãe vai voltar?'. Ele acha que ela tá no hospital. Só sabe que a mãe se machucou porque ficou coberto pelo sangue dela. Ele presenciou tudo. A mãe morreu pra salvar o filho. A gente não sabe como vai lidar com isso ainda", relatou a estudante Vânia Brito, 25, cunhada da vítima.

Ela estava indo trabalhar e iria deixar o filho com uma babá quando começou o tiroteio. Aí, uma moça em um carro disse para ela entrar. Foi coisa de bandido com bandido

Vânia Brito, cunhada de Ana Cristina da Silva

Ana Cristina foi atingida próximo ao acesso ao Complexo do São Carlos, conjunto de favelas na região central do Rio. Ela estava a caminho do bar onde trabalha com o marido quando começou o tiroteio, por volta das 19h de ontem.

Ao UOL, o Corpo de Bombeiros disse que, após receber um chamado para atendê-la, agentes não conseguiram chegar no local por conta do tiroteio. Segundo a família, a vítima foi socorrida por moradores e já chegou ao hospital sem vida.

A família aguarda a liberação do corpo hoje à tarde no IML do Rio. Ana Cristina deve ser sepultada amanhã no Cemitério do Caju, zona norte do Rio.

Criminoso em fuga fez família refém

Um homem entrou em um prédio residencial no Rio Comprido, por volta das 3h de hoje, após fugir da troca de tiros entre as facções rivais.

O criminoso fez uma família refém. No começo da manhã, ele se entregou à polícia. As vítimas, uma mulher e uma criança de 5 anos, foram libertadas.

Segundo a GloboNews, para entrar no prédio, na rua Aristides Lobo, ele atirou na perna do porteiro e invadiu um apartamento, onde estava a família. O porteiro foi socorrido e levado ao hospital.

Criminosos com fuzil e granadas na Lagoa

Ontem, policiais militares do 23º BPM (Leblon) fizeram um cerco e, após confronto, prenderam dois suspeitos na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul carioca, segundo informou a Secretaria de Estado de Polícia Militar.

A ocorrência teria ligação com a tentativa de invasão do Complexo do São Carlos.

Na ação, um fuzil, duas pistolas, um colete balístico, 941 munições, 14 granadas, três rádios transmissores e 16 carregadores de fuzil foram apreendidos.

Siga o UOL no

Cotidiano