PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Polícia Civil prende suspeito de envolvimento na morte de estudante da UFRJ

Marcus Winícius - Reprodução / Redes Sociais
Marcus Winícius Imagem: Reprodução / Redes Sociais

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

27/12/2020 15h42Atualizada em 27/12/2020 17h26

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu mais uma pessoa acusada de envolvimento na morte de Marcus Winícius Tomé Coelho de Lima, 20, cujo corpo foi encontrado em outubro em Nova Iguaçú, na Baixada Fluminense. Outros dois seguem foragidos. Ao todo, seis pessoas foram identificadas na ação que resultou na morte do estudante.

De acordo com a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Denner Dias Barcia Alves é acusado de ser um dos mandantes do assassinato e, possivelmente, um dos que estavam na ação do sequestro que resultou na morte do jovem. A reportagem tenta contato com a defesa de Denner Dias Barcia Alves. Se enviado, seu posicionamento será publicado.

Denner Dias Barcia Alves - Reprodução / Divulgação - Reprodução / Divulgação
Denner Dias Barcia Alves
Imagem: Reprodução / Divulgação

Marcos Winícius, estudante do curso de Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi visto pela última vez quando saiu de bicicleta de um shopping em Botafogo, na Zona Sul. Ele estava com a família e decidiu voltar para casa mais cedo, pois pretendia ir com alguns amigos a uma festa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. O desaparecimento do estudante teria ocorrido durante o percurso entre o centro comercial até a residência dele, na Urca, na mesma região, cerca de 2 km distante.

"Boteiros"

A polícia segue investigando o envolvimento de Marcus Winícius com a quadrilha conhecida como "Boteiros". Segundo as investigações, o grupo aplica golpes em traficantes e usuários de drogas no Rio de Janeiro e em outros estados. Na capital, a quadrilha já tinha notoriedade entre traficantes e usuários de drogas de classe média alta, em bairros da Zona Sul como Botafogo, Urca, Copacabana, Ipanema e Leblon.

Com a ajuda de policiais militares, o grupo simulava a compra de uma carga grande de drogas e, no momento do encontro, efetuava o roubo. Eles também agiam fazendo o inverso — realizando a venda de uma carga inexistente e roubando o dinheiro do comprador no ato da entrega. Policiais envolvidos no esquema simulavam um flagrante.

A Polícia Civil investiga se três amigos de Marcus Winícius teriam roubado uma carga de drogas. Segundo as investigações, o estudante não teria participado efetivamente deste roubo, mas estava em um hotel onde os envolvidos foram comemorar.

De acordo com o delegado, .Uriel Alcântara, "as investigações mostraram que Marcus participou com um amigo de uma simulação de negociação de uma carga de skunk avaliada em R$ 80 mil, cuja intenção era seu roubo". O homem preso hoje seria um dos traficantes que teve a carga roubada pela quadrilha. Segundo a polícia, o grupo contava com apoio de policiais militares e selecionavam maconha de alta qualidade como skunk e haxixe.

"Três traficantes estavam juntos e tiveram a carga roubada. O Denner é deles", explicou ao UOL. "É investigada a participação dele como um dos mandantes e, possivelmente, um dos que estavam na ação do sequestro que resultou na morte."

Fuga para laje

A ação de hoje contou com agentes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) e da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Segundo a polícia, policiais do Setor de Busca Eletrônica obtiveram a informação de que Denner, que se encontrava foragido, estava em um apartamento na Avenida Epitácio Pessoa, na Lagoa, na Zona Sul carioca.

Ao chegarem no local, os policiais foram surpreendidos pela companheira do suspeito, que em um primeiro momento não os deixou entrar alegando que na casa havia cachorros da raça pitbull. No apartamento, os policiais notaram que havia um quarto com o duto do ar condicionado com o aparelho fora do lugar, dando indícios de que ele havia fugido pelo vão para uma laje.

Material apreendido com Denner Dias Barcia Alves - Reprodução/Divulgação - Reprodução/Divulgação
Material apreendido com Denner Dias Barcia Alves
Imagem: Reprodução/Divulgação

Após cerca de uma hora, Denner Alves foi encontrado dentro da casa de máquinas do elevador, com uma mochila com nove tabletes de maconha. Foram encontrados ainda no apartamento munições de revólver, balanças de precisão para pesagem de drogas, além de coldres para armas de fogo.

Tanto o homem quanto a namorada foram levados para a delegacia e além do cumprimento do mandado de prisão, ambos vão responder pelos crimes de tráfico de drogas e posse de munição de uso permitido.

A Polícia Civil divulgou um cartaz pedindo por informações que levem a outro dois suspeitos de estarem no mesmo carro que Denner: Igor Moreira Dantas e Victor Hugo dos Santos Moraes. "Esses dois são foragidos, ainda existe investigação para identificar outros participantes do crime", finalizou o delegado.

Cotidiano