PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Travesti presa por roubo em SP exibia maço de dinheiro e passeios de lancha

Herculano Barreto Filho

Do UOL, em São Paulo

13/09/2021 13h03Atualizada em 13/09/2021 16h50

Uma travesti presa na madrugada deste sábado (11) após ser identificada em um roubo na região central de São Paulo exibia maços de dinheiro e aparecia em passeios de lancha em vídeos nas redes sociais obtidos pelo UOL.

Jaqueline, também conhecida como Madame Satã, buscou refúgio na casa de familiares em Salvador após as imagens do crime cometido por uma quadrilha de travestis em julho deste ano viralizar. Ela foi capturada uma semana após voltar para a capital paulista.

Em um dos vídeos, Madame Satã exibe imagens do passeio com familiares. "Ali a lancha, ó? Linda, esperando a gente". Em seguida, avisa: "Chegamos, família! Lá no fundo sou eu que vou ficar, ?".

De biquíni e óculos escuros, aparece no interior da lancha, enquanto o companheiro abre uma garrafa de champanhe. Em outro vídeo, aparece de costas, exibindo o bumbum. Em seguida, mostra um maço com notas de R$ 50 e R$ 100.

O UOL não localizou a defesa de Madame Satã.

A travesti Jaqueline, identificada como Madame Satã, aparece em vídeo enquanto aborda uma vítima em julho deste ano no centro de SP - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo
A travesti Jaqueline, identificada como Madame Satã, aparece em vídeo enquanto aborda uma vítima em julho deste ano no centro de SP
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de São Paulo

Celulares roubados oferecidos pela internet

Segundo a Polícia Civil, Madame Satã também usava as redes sociais para negociar produtos roubados. "Olha! Sem um arranhão. Ele está muito novo", dizia, enquanto mostrava um aparelho celular.

Foram vários roubos em sequência na região central de São Paulo. A quadrilha era especialista no roubo de celulares. E ela [Madame Satã] inclusive oferecia nas redes sociais o que conseguia roubar com os seus comparsas."
Delegado Roberto Monteiro, da seccional Centro

Com base nas imagens, os investigadores também prenderam a travesti Andressa, seu nome social. Suspeito de envolvimento no crime, o companheiro de Madame Satã está sendo procurado.

Os deslocamentos da travesti estavam sendo monitorados pela Polícia Civil, que investiga a participação do grupo em diversos roubos ocorridos na região central de São Paulo. Ela estava na capital paulista desde o dia 3 de setembro, segundo os investigadores.

Madame Satã: roubos e cafetinagem

Segundo a Polícia Civil, o porte físico avantajado de Madame Satã facilitava a sua ação nos roubos. Com 1,80 m e cerca de 110 kg, a travesti costumava imobilizar as vítimas com um mata-leão para depois retirar os seus pertences com o auxílio de outros integrantes do grupo, como mostrou o vídeo com o registro de um dos crimes.

Condenada por roubo, Madame Satã é suspeita de participação em outros dois crimes do tipo e de envolvimento com cafetinagem de travestis —crime de exploração sexual comercial de outras pessoas.

Em novembro de 2020, a travesti escapou de uma tentativa de homicídio ao ser atingida por um tiro no braço e outro na perna. De acordo com a Polícia Civil, os disparos foram dados por um garoto de programa a mando de uma cafetina após um desentendimento em um ponto de prostituição no Largo do Arouche.

Madame Satã e a 'gangue da rua Santa Isabel'

O vídeo que registrou a ação em julho deste ano mostra Madame Satã aplicando um mata-leão, golpe de estrangulamento. Outras duas travestis e um homem então se aproximam para imobilizar a vítima, que grita enquanto é prensada contra uma parede. Um outro comparsa aparece na cena, para dar cobertura ao roubo.

"Gente, assaltando o homem! A gangue da rua Santa Isabel", narra a moradora. O grupo então retira a mochila da vítima, que cai desmaiada em uma ação que dura apenas um minuto.

Segurança pública