PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
1 mês

Vídeo flagra ação de travestis em roubo no centro de SP; dupla foi presa

Herculano Barreto Filho

Do UOL, em São Paulo

11/09/2021 10h47Atualizada em 13/09/2021 16h29

A Polícia Civil prendeu na madrugada deste sábado (11) duas pessoas suspeitas de integrar uma quadrilha de travestis flagrada em um roubo na região central de São Paulo.

Jaqueline, também conhecida como Madame Satã, aparece no vídeo obtido pelo UOL enquanto aborda uma vítima em julho deste ano, em uma esquina da rua Santa Isabel. Com base nas imagens, os investigadores também prenderam outra travesti suspeita de integrar a quadrilha.

A travesti Jaqueline, identificada como Madame Satã, aparece em vídeo enquanto aborda uma vítima em julho deste ano no centro de SP - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo
A travesti Jaqueline, identificada como Madame Satã, aparece em vídeo enquanto aborda uma vítima em julho deste ano no centro de SP
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de São Paulo

Após cumprir os mandados de prisão temporária por roubo, os investigadores conduziram as duas ao 3º Distrito Policial, em Campos Elíseos. O UOL não localizou a defesa delas.

A Polícia Civil identificou Madame Satã em abordagem a um homem. "Fingindo que está ajudando, está roubando-o mais ainda", diz uma moradora, que flagrou o crime pela janela do seu apartamento.

Madame Satã e a 'gangue da rua Santa Isabel'

Em seguida, Madame Satã aplica um mata-leão, golpe de estrangulamento. Outras duas travestis e um homem então se aproximam para imobilizar a vítima, que grita enquanto é prensada contra uma parede. Um outro comparsa aparece na cena, para dar cobertura ao roubo.

"Gente, assaltando o homem! A gangue da rua Santa Isabel", narra a moradora. O grupo então retira a mochila da vítima, que cai desmaiada em uma ação que dura apenas um minuto.

Madame Satã, que tem antecedentes criminais por roubo, foi reconhecida com base nas imagens e no reconhecimento feito pela própria vítima. A Polícia Civil agora tenta identificar outras vítimas de crimes cometidos pelo grupo nos últimos meses.

Segurança pública