PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Filhote de cachorro morre após voo entre São Paulo e Rio de Janeiro

Aliny Gama

Colaboração para o UOL

21/09/2021 00h04Atualizada em 21/09/2021 18h56

Um filhote de cachorro da raça golden retriever morreu após viajar de avião de São Paulo para o Rio de Janeiro, onde sua tutora, Gabriela Duque Rasseli, 24, o esperava. Em uma postagem publicada no sábado (18), ela alega que o animal foi entregue "quase" morto após ter passado calor. A companhia nega que tenha havido maus-tratos e o canil se dispôs a entregar um novo filhote.

O animal foi embarcado por um canil de São Paulo para ser entregue no terminal de cargas da Latam Airlines no aeroporto do Galeão, na tarde da terça-feira (14). Gabriela Rasseli recebeu uma foto do animal, ainda no terminal de cargas, aparentando estar saudável. Na imagem, o cachorro está em cima da caixa de viagem e se mostra tranquilo. O voo LA 3842 chegou ao Galeão às 13h53 e o animal foi entregue à tutora por volta das 15h10, segundo a empresa.

"A Latam Airlines assassinou o meu cachorro. Eu não tive oportunidade de conhecê-lo", escreveu Rasseli, em uma publicação no Instagram que tem mais de 35 mil comentários. Ela completa que "na primeira foto, é como ele chegou para mim, quase morto. Na segunda foto, era ele antes de embarcar no voo LA 3842, dia 14", conta, mostrando o animal desfalecido ao lado de uma vasilha com água.

A jovem relata ainda que houve demora na entrega do animal, pois o avião aterrissou às 13h53 e "só entregaram ele 15h30". "Deixaram meu cachorro no calor, quando ele chegou a mim estava quase morto. Eu e minha família estamos devastados. Não tem nada que alivie nossos corações. A gente só quer justiça", escreveu a tutora do animal, afirmando que a "Latam precisa ser responsabilizada."

A Latam Airlines afirmou que não houve demora na entrega do cachorro, pois o animal veio no bagageiro do avião, que é equipado com ar-condicionado, e que cargas vivas e outras que são transportadas sem passageiros são entregues no terminal de cargas, após o desembarque e retirada de malas de todos os passageiros transportados. A Latam afirmou que a entrega do cachorro estava prevista para as 15h30, mas que ele foi entregue à tutora por volta das 15h10.

A companhia negou que o animal tenha sido exposto ao sol ou passado calor e destacou ainda que está em contato com a tutora do animal desde o ocorrido prestando a assistência necessária.

Canil se manifesta

Ao UOL, a médica veterinária Talita Dib, proprietária do canil que vendeu o cachorro, afirmou que o animal estava em perfeitas condições de saúde quando foi embarcado pela Latam Airlines e questiona o que aconteceu com o filhote durante o transporte. Dib explicou que todos os cães do criatório, que atua em São Paulo desde 2014, passam por uma série de exames desde o nascimento até a entrega ao tutor.

"Ela comprou o cachorro há um tempinho, ficou aguardando o tempo que necessário para ele se desenvolver e ser entregue. Foram realizados exames eletrocardiograma, ecocardiograma, radiografia durante o período que ele ficou conosco. É uma prática nossa de controle. Além disso, o atestado veterinário entregue à companhia mostra que o cachorro estava em perfeita saúde", explica a veterinária.

O canil afirma que o cachorro embarcou em uma caixa apropriada para o tamanho do animal, com furos para ventilação e com água suficiente para o animal se hidratar durante o voo. A caixa, segundo a veterinária, já é usada desde 2016 nos transportes dos cães que são comercializados.

"Eu nunca enviei um cão que não estivesse apto para viagem e para ser entregue ao dono. A gente não sabe o que aconteceu. Ficou uma brecha, pois o entregamos à Latam com saúde e ele chegou naquele estado. Fico a perguntar: ele foi entregue bem. Em qual momento ele começou a passar mal e por quê? Será que alguém viu que ele estava passando mal ou não viu? Achamos estranha essa demora, pois trabalhamos há muito tempo com envio de animais pela Latam e nunca nenhum cliente passou mais que meia hora para receber o seu cãozinho", destaca Dib.

O canil destacou que, apesar de estar em contrato que não se responsabiliza pelo transporte, que é terceirizado e não tem como saber o que vai acontecer na viagem aérea, já escolheu um filhote para Gabriela.

"Vou entregar outro filhote para ela, não vou deixar de realizar esse sonho dela. Já tem data para entrega e ele vai ser levado de carro para evitar problemas. Temos procura de muitos clientes de outros estados e, agora, com esse problema não sabemos como vamos fazer a entrega quando o cliente não puder vir buscar no canil", concluiu Dib.

Confira a nota da Latam Airlines na íntegra

"Nós da LATAM nos sensibilizamos muito com o que aconteceu e estamos em contato com a cliente Gabriela desde o desembarque do animal. A companhia reitera que a segurança é um valor inegociável, reforçando que se solidariza com a tristeza vivida pela cliente e que fará tudo que está ao seu alcance para oferecer a assistência necessária neste momento.

A empresa esclarece ainda que seguiu todos os procedimentos de aceitação e transporte do pet que atendem rigorosamente aos regulamentos de autoridades nacionais e internacionais."

Cotidiano