PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Empresária some, ressurge e é presa suspeita de forjar sequestro por seguro

A empresária Ruana Sabrina F. Freitas é suspeita de forjar o próprio sequestro no Mato Grosso - Reprodução/Facebook
A empresária Ruana Sabrina F. Freitas é suspeita de forjar o próprio sequestro no Mato Grosso Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

03/12/2021 13h39Atualizada em 03/12/2021 13h39

Uma empresária de 28 anos foi presa em flagrante pela Polícia Civil do Mato Grosso, ontem, suspeita de cometer estelionato e falsa comunicação de crime. Ela é investigada por supostamente forjar o próprio sequestro na cidade de Várzea Grande (MT). Ela foi localizada pela polícia conduzindo seu veículo em uma avenida na região metropolitana de Cuiabá.

"Ela contou ainda que o objetivo era comercializar a camionete no mercado clandestino e depois receber o valor do veículo da seguradora", explicou o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira.

Na madrugada de ontem, o marido da empresária Ruana Sabrina F. Freitas registrou um boletim de ocorrência informando que ele e a mulher estavam em uma festa, no bairro Nova Várzea Grande, quando a companheira foi até uma distribuidora de bebidas dirigindo sua caminhonete Hilux e não retornou. Logo depois, ele recebeu imagens em vídeo que supostamente mostravam a mulher encapuzada, sendo mantida em cárcere privado.

No final da manhã, o veículo foi localizado na região do Coxipó. Policiais foram ao local indicado e encontraram o veículo, sem a placa traseira, conduzido pela própria empresária. Ela foi levada a GCCO (Gerência de Combate ao Crime Organizado) para prestar depoimento, onde, segundo a Polícia Civil, confessou que forjou o sequestro e o roubo do veículo.

O veículo foi apreendido e a mulher autuada em flagrante por falsa comunicação de crime e estelionato. O marido da suspeita prestou declarações e a polícia descartou a participação dele nos crimes.

Ruana foi levada para a sede da Polinter e passará por uma audiência de custódia no Fórum da Capital.

O UOL não conseguiu contato com a defesa da empresária e atualizará a reportagem assim que obtiver um posicionamento.

Cotidiano