PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Cinco pessoas da mesma família estão entre desaparecidos em Petrópolis

Motoboy Wallace Andrade, 24, os pais dele, a avó e o marido dela, estavam dentro do imóvel destruído por barreira que desabou em Petrópolis - Arquivo pessoal
Motoboy Wallace Andrade, 24, os pais dele, a avó e o marido dela, estavam dentro do imóvel destruído por barreira que desabou em Petrópolis Imagem: Arquivo pessoal

Marcela Lemos,

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

18/02/2022 19h28

Cinco pessoas da mesma família desapareceram após a casa onde moravam, no bairro Chácara Flora, em Petrópolis, ser atingida por uma barreira no último dia 15. O motoboy Wallace Reis de Andrade, 24, os pais dele, Gisele Reis Bittencourt e Sidnei de Andrade, a avó Ginelda Reis Bittencourt e o marido dela, identificado como Cláudio, estavam dentro do imóvel que foi destruído por uma barreira que desabou na região.

De acordo com familiares e vizinhos, o motoboy havia saído de casa durante a chuva, mas retornou para a residência para ajudar a família e pegar um documento. Desde então, ele e a família não foram mais vistos.

Michel Ferreira Braga, 40, vizinho e pai da namorada do motoboy, disse ao UOL que o local onde fica o imóvel da família de Wallace ficou totalmente destruído.

"Depois que a chuva parou e não conseguiram falar com eles, eu e meu garoto fomos atrás. Achamos a moto dele, fomos perguntando, até que a gente foi lá pra cima e viu que estava tudo destruído. Ele entrou em casa e não saiu mais. A barreira chegou levando tudo. Ele já estava na rua, mas voltou para casa para ajudar a família e pegar um documento".

De acordo com Michel, a família de Wallace morava na região há muitos anos. O pai dele era taxista.

A namorada dele, Julia Ferreira Braga, 17, disse que tem esperança de encontrá-los ainda com vida.

"A esperança é a última que morre. Meu sogro e meu namorado são pessoas muito fortes. Tenho certeza que eles estão lá soterrados. O problema é que a região está com muita lama, o terreno está muito úmido. Se não estiverem mais aqui, quero pelo menos encontrá-lo para me despedir, pois não consegui", afirmou a jovem.

Segundo Julia, outras vítimas na região foram localizadas pelo Corpo de Bombeiros, mas ninguém da família do namorado ainda foi achado. O casal conversou minutos antes da tragédia sobre a forte chuva que atingia a cidade.

"Ele me deixou na manicure e voltou para casa. Quando foi lá para as 16 horas, ele me falou que uma árvore já tinha caído. Ele falou que ia descer, mas depois disso não consegui mais falar com ele. Minha madrinha encontrou com ele no mercadinho e disse que ele tinha voltado para casa. Indo lá não dá nem para dizer que havia uma casa. Tá tudo destruído. Minha madrinha chegou a dizer: 'não vai', mas ele deixou a moto e subiu a pé", contou Julia.

Ainda de acordo com a jovem, dois irmãos de Wallace, de 7 e 16 anos, não estavam em casa no momento do desabamento do imóvel e sobreviveram. O mais novo está sob responsabilidade da família dela e o mais velho, na casa da namorada. Os garotos têm parentes na cidade de Três Rios, mas Julia disse que não gostaria de separar os irmãos.

"Eles têm também outros dois irmãos mais velhos por parte de pai e um tio. Eles estão bem".

Amiga foi levada por enxurrada

maria clara, morte - Reprodução/Redes sociais - Reprodução/Redes sociais
Morta no desastre, Maria Clara Martins de Castro morava em Volta Redonda (RJ) e estava em Petrópolis visitando a avó
Imagem: Reprodução/Redes sociais

Julia também contou ao UOL que uma amiga de 16 anos morreu em decorrência da chuva na cidade. Maria Clara Martins de Castro morava em Volta Redonda (RJ) e estava na cidade visitando a avó. Ela estava em casa sozinha quando o imóvel foi atingido por um deslizamento de terra e desabou. Maria foi levada pela enxurrada.

De acordo com Julia, o corpo dela foi achado em Duas Pontes, a cerca de 3 km de casa.

"Nós crescemos juntas. Ela estudou comigo até o oitavo ano, foi para Volta Redonda, veio passar tempo aqui e acabou acontecendo tudo isso. Acho que ela estava aqui há duas semanas. Voltava por causa da avó".

Julia descreveu a amiga como uma menina doce, disse que ela era fã da cantora Anitta. Ela gostava ainda de viajar e gravava vídeos para o TikTok.

Mortes e desaparecimentos registrados

A Polícia Civil do Rio informou na tarde de hoje que registrou o desaparecimento de 218 pessoas em Petrópolis até o fim da tarde de sexta-feira (18). No entanto, ainda não é possível precisar o número de vítimas que sumiram após as fortes chuvas, pois nem todas as pessoas encontradas mortas foram identificadas no IML (Instituto Médico Legal).

Segundo o governo, até o momento são 136 pessoas mortas. A Polícia Civil informou que 120 estão no IML. Dessas, apenas 72 foram identificadas. Entre as vítimas estão 79 mulheres e 41 homens. Do total, 21 são menores de idade.

Cotidiano