Conteúdo publicado há 7 meses

Ciclone no Sul: Número de mortos sobe para 28; 27 no Rio Grande do Sul

Com seis novos óbitos confirmados em Roca Sales (RS) nesta quarta-feira (6), o número total de mortos do ciclone que atinge os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina desde a segunda-feira subiu. No total são 28 mortes: 21 no RS e uma em SC.

O que aconteceu

As circunstâncias nas quais os corpos foram encontrados em Roca Sales não foram informadas pela Defesa Civil até o momento. Na noite de ontem, pelo menos 15 corpos foram encontrados durante uma vistoria do Corpo de Bombeiros, que procurava por pessoas dadas como desaparecidas em residências de Muçum (RS), no Vale do Taquari.

Os corpos encontrados em Muçum estavam em diferentes residências, na mesma localidade da cidade, mas não há detalhes sobre isso, segundo a Defesa Civil. Outras seis mortes já tinham sido confirmadas antes no estado.

O governador do RS disse que recebeu a notícia "com muita tristeza": "Causa imensa dor, já configurando o maior número de mortes de um evento climático no Rio Grande do Sul", afirmou Eduardo Leite em coletiva de imprensa.

Ao todo, mais 52 mil pessoas foram diretamente afetadas pelo ciclone, sendo 1.650 desabrigados e mais de 3 mil desalojados até o fim da tarde desta terça-feira (5), segundo levantamento da Defesa Civil Estadual.

Há uma preocupação para quinta-feira (7) "com a volta chuva no estado, e com a água ainda não baixando", segundo o coronel Marcus Vinicius Gonçalves Oliveira, subchefe da Defesa Civil.

Mais cedo, um policial da Brigada Militar resgatava uma idosa em um helicóptero do governo do estado quando o cabo no qual ele estava se rompeu e os dois caíram no rio Taquarari.

O corpo da idosa foi recuperado e o PM foi resgatado em estado grave para um hospital da região, segundo informações do governo do Rio Grande do Sul.

Outra morte, no município de Estrela, também foi registrada na manhã de hoje, segundo a prefeitura.

Continua após a publicidade

Já falei com ministros, com o ministro Waldez Góes, da Integração, o ministro Múcio, da Defesa, o ministro Pimenta, que é um ministro gaúcho no Governo Federal, para ter todo o apoio do Governo Federal.
Governador Eduardo Leite

Mortes

O estado de Santa Catarina também registrou uma morte decorrente da tempestade que atingiu o Sul do país após uma árvore cair sobre um carro em Jupiá na tarde da segunda-feira (4).

O Corpo de Bombeiros de Santa Catarina foi acionado para atender uma ocorrência e, ao chegar no local, se deparou com a árvore sobre a via e o carro, com o motorista já morto, disse a corporação. Ele estava sozinho dentro do carro no momento do acidente, informou a corporação.

A Polícia Científica foi até o local e teve de cortar a árvore para tirar o corpo do rapaz de dentro do veículo. Após isso, ele foi levado ao IML (Instituto Médico Legal).

As outras quatro mortes do Rio Grande do Sul foram registradas entre a noite do domingo e a manhã de segunda-feira (4): a de um homem eletrocutado em Passo Fundo; um homem de 41 anos preso em um carro levado por uma correnteza em Monte Castelhano e de um casal, um homem de 50 anos e uma mulher de 44 anos, que estavam em um carro que caiu em um rio em Ibiraiaras.

Continua após a publicidade

Um ciclone extratropical se formou no oeste do Rio Grande do Sul. Segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), os estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul também sentiram os efeitos do fenômeno.

'Cenário desesperador'

A jornalista Jaqueline Manica, de Arroio do Meio (RS), diz ter visto uma inundação inédita no município. Ao UOL, ela afirmou que apenas duas quadras da região central da cidade foram poupadas da água.

Arroio do Meio não teve vítimas fatais até o momento, mas registra cerca de 2 mil deslojados. Na cidade, o nível do Rio Taquari superou os 35 metros, o que provocou enchente nas principais ruas.

Jaqueline conta que a população sofre por falta de água e luz, o que tem deixado as famílias preocupadas. "À medida em que vai acabando bateria de celular, as pessoas vão ficando apreensivas, porque daí não sabem como estão familiares", relatou.

Agora já está baixando a água, mas ainda tem muitos pontos alagados pela cidade. Na região central, a água só não atingiu duas quadras, o resto está tudo alagado. O pessoal trabalhou a noite toda na remoção das famílias próximas do rio Taquari. É um cenário desesperador
Jaqueline Manica, moradora de Arroio do Meio

Continua após a publicidade

O que fazer durante tempestades?

O Inmet orienta que a população das áreas afetadas por tempestades desligue aparelhos elétricos, observe alteração nas encostas, permaneça em local abrigado, proteja seus pertences da água envoltos em sacos plásticos em caso de inundação e, por fim, busque mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Deixe seu comentário

Só para assinantes