Conteúdo publicado há 6 meses

Plano nacional contra facções terá foco em fronteiras, diz nº 2 de Dino

O Ministério da Justiça e Segurança Pública vai lançar, na segunda-feira (2), o Programa Nacional de Enfrentamento às Organizações Criminosas - ENFOC.

O que aconteceu:

O secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, adiantou hoje que o plano prevê ação "de forma articulada", com foco em portos, aeroportos e fronteiras. A informação foi dada em entrevista à GloboNews.

O ministro Flávio Dino lança na segunda-feira, às 9h, um plano de enfrentamento às organizações criminosas, que parte da experiência histórica acumulada. E parte dessa filosofia que eu já falei: que é no sentido de pegar as organizações criminosas, focar na questão de aeroportos, portos e fronteiras. E você ter uma ação articulada no país, nas diversas áreas. É isso que vai ser anunciado com mais detalhes na segunda-feira pelo ministro.
Ricardo Cappelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública

"Não dá para dizer que o problema da segurança pública são as polícias, mas as organizações criminosas", ressaltou o secretário-executivo.

Cappelli ainda defendeu que todos os policiais utilizem câmeras corporais, e falou que a pasta estuda formas de padronizar esse equipamento. "O mais importante é a inteligência nesse material que é recolhido. Como cada estado usa um tipo de câmera, não é possível integrar", disse.

Todas as polícias vão usar câmeras corporais. Até o final do ano, vamos publicar as diretrizes. A câmera protege os policiais. Então, não vejo essa questão das polícias como um problema. Nosso foco é o combate ao crime organizado.
Ricardo Cappelli

O secretário também falou sobre a violência na Bahia: "Nosso receio é que isso escale para o resto do Nordeste, que não tem o costume de enfrentar armas de guerra no policiamento ostensivo". Ontem (28), Cappelli defendeu a polícia da Bahia e disse que o estado não vive uma situação de descontrole — apesar das mortes causadas pela polícia no mês. "Tem a questão da letalidade? Tem. Mas você não enfrenta crime organizado com rosas", disse.

Reunião com Castro

Cappelli se reuniu com o governador do Rio, Cláudio Castro (PL), na manhã desta sexta-feira (29). Os planos do trabalho conjunto, no entanto, não foram detalhados.

Continua após a publicidade

A reunião foi realizada após uma espécie de "treinamento de guerrilha" no Complexo da Maré ter sido mostrada pelo Fantástico, da TV Globo. Uma investigação da Polícia Civil descobriu uma "escola preparatória" no local.

"As imagens que a gente viu, são inaceitáveis. Treinamento de guerrilha urbana, à luz do dia, criminosos andando com fuzis e .50 a luz do dia, não é aceitável em nenhum lugar do mundo. E nós vamos atuar com inteligência, com proporcionalidade, com tecnologias", afirmou Cappelli.

O governador Cláudio Castro também alertou para "criminosos de altíssima periculosidade, que não têm a menor pena de usar crianças como escudo. De tirar o equipamento público que seria da comunidade, e usar esse equipamento público da comunidade para treinamento quase que militar.

Força Nacional deve atuar na 'retaguarda'

A ação deverá contar com a participação de homens da Força Nacional de Segurança e da Polícia Rodoviária Federal, no entorno do conjunto de favelas da zona norte da capital.

Capelli explicou que, em eventual uso da Força Nacional no Rio, os agentes não farão incursões nas comunidades e que esse trabalho ficará a cargo das polícias fluminenses. "Isso ainda vai ser definido num planejamento, mas a Força Nacional vai cumprir papel de retaguarda, de apoio".

Continua após a publicidade

O pedido para usar agentes da Força Nacional de Segurança na ação já foi feito pelo governador, mas ainda não foi divulgada uma data para o envio da tropa, que depende de autorização do governo federal.

*Com informações da Agência Brasil

Deixe seu comentário

Só para assinantes