Conteúdo publicado há 2 meses

Lewandowski diz esperar anunciar fim do caso Marielle 'em breve'

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, disse hoje que espera anunciar "em breve" o desfecho das investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A declaração foi entrevista ao jornal O Globo.

O que aconteceu

"Vamos resolver. As investigações estão avançando mesmo", falou Lewandowski ao jornal. "O inquérito é sigiloso e o ministro não se mete nos inquéritos que são levados, mas as notícias que temos é que nós vamos encontrar os criminosos. Espero poder anunciar isso em breve".

Assassinato completa seis anos hoje, e ainda não se sabe quem foram os mandantes. Em janeiro, o diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Passos Rodrigues, disse que a corporação teria uma "resposta final" sobre o caso ainda no primeiro trimestre deste ano.

Inquérito foi enviado ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) no ano passado, após suspeitas da participação do conselheiro do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro) Domingos Brazão no crime.

Ronnie Lessa teria fechado um acordo de delação premiada com a PF em janeiro deste ano, mas ele ainda precisa ser validado pelo STJ. Lessa é acusado de ser o executor do crime, ao lado de Élcio Queiroz, que conduzia o carro.

Assassinato completa seis anos hoje

Homenagem a Marielle Franco em São Paulo
Homenagem a Marielle Franco em São Paulo Imagem: 14.mar.2020-Amanda Perobelli/Reuters

Em 14 de março de 2018, Marielle e Anderson foram assassinados na região central do Rio. Eles voltavam de um evento em que a vereadora palestrou quando um Cobalt prata emboscou o carro em que estavam e 14 tiros foram disparados. Nada foi roubado.

Suspeitos de serem autores dos homicídios de Marielle Franco e Anderson Gomes, os ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz já estavam presos e ainda vão ser julgados.

Continua após a publicidade

Élcio firmou acordo de delação premiada com a PF e confessou ter participado do crime. Ele apontou que Ronnie Lessa foi o autor dos tiros.

Ainda não se sabe quem mandou matar Marielle Franco. Não há informações divulgadas até o momento que apontem se Queiroz e Lessa agiram sozinhos ou a mando de alguém.

A investigação do caso já foi comandada por cinco delegados diferentes e três grupos de promotores. O Ministério da Justiça e Segurança Pública escalou uma equipe para investigar o caso logo nos primeiro meses do governo Lula (PT).

Deixe seu comentário

Só para assinantes