Conteúdo publicado há 1 mês

Influencers são presas em operação contra grupo que vendia óleo de maconha

A polícia do DF faz hoje operação contra um grupo que contrabandeava óleo de maconha dos Estados Unidos para cigarros eletrônicos.

O que aconteceu

Sete pessoas já foram presas na Operação Refil Verde. A polícia cumpre nove mandados de prisão e 12 de busca e apreensão no Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo.

Três influenciadoras do DF estão entre os alvos. Rhaynara Didoff, Elisa de Araújo Marden e Letícia Susane Correia Castro receberam dinheiro para divulgar os produtos de óleo de cannabis, segundo a TV Globo.

Também são alvos profissionais de TI do Rio de Janeiro, investigados por construir os sites usados pelo grupo. "Eles colaboravam com a lavagem de dinheiro a partir da automatização dos pagamentos e utilização de documentos e dados falsos no contato com a rede bancária", segundo a Polícia Civil do DF.

Líderes do grupo são do interior de São Paulo. Eles não tinham contato direto com as drogas, que eram enviadas a traficantes e usuários pelos Correios.

As contas bancárias dos investigados foram bloqueadas. Eles podem responder por tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsificação de documento público e uso de documento falso.

Como funcionava o esquema

Criminosos compravam o óleo de cannabis de um fornecedor dos EUA. A droga entrava no Brasil pelo Paraguai em potes de cera de depilação.

O produto era enviado de Foz do Iguaçu (PR) até a cidade de São Paulo, onde a droga era manipulada. O óleo era envasado em refis de vapes, frascos de CBD e outros suportes.

Continua após a publicidade

Grupo tinha sites e contas em redes sociais, onde anunciava "remédios para diversos tipos de doenças". Eles usavam números internacionais para se comunicar com os clientes.

Segundo a polícia, a droga era misturada a solventes. Os criminosos "aproveitavam-se do descontrole das redes sociais para obter lucros milionários".

Eram usadas contas bancárias em nome de laranjas e empresas fantasmas, além de documentos falsos. Segundo a investigação, o grupo também aplicava a tecnologia de deepface para burlar a segurança dos aplicativos bancários e operar o esquema de lavagem de dinheiro.

Deixe seu comentário

Só para assinantes