Conteúdo publicado há 23 dias

Polícia indicia 3 pessoas pela morte de advogado próximo à sede da OAB-RJ

A Polícia Civil indiciou três homens, nesta quarta-feira (24), pela morte do advogado Rodrigo Marinho Crespo, em fevereiro. Ele foi assassinado a tiros próximo à sede da OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional do Rio de Janeiro).

O que aconteceu

A investigação aponta que os três, que já estão presos, participaram do monitoramento do advogado e se encontraram antes e depois do crime. Um deles ainda teria fornecido o carro utilizado no dia do assassinato. São eles: Eduardo Sobreira Moraes, Leandro Machado da Silva e Cezar Mondêgo.

A Polícia Civil também informa que o inquérito foi desmembrado para identificar outros envolvidos no caso. No decorrer da investigação, os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão contra outras pessoas investigadas.

O UOL não conseguiu localizar a defesa dos três indiciados. O espaço segue aberto para manifestação.

Eduardo Sobreira Moraes é suspeito de envolvimento no assassinato de advogado no Rio
Eduardo Sobreira Moraes é suspeito de envolvimento no assassinato de advogado no Rio Imagem: Reprodução
Leandro Machado da Silva (à esquerda) e Cezar Mondêgo (à direita)
Leandro Machado da Silva (à esquerda) e Cezar Mondêgo (à direita) Imagem: Reprodução

Relembre o caso

O advogado foi morto a tiros próximo à sede da OAB-RJ, no final da tarde do dia 26 de fevereiro, no centro do Rio.

Rodrigo estaria voltando para o escritório quando foi atingido. Um homem encapuzado saiu de um carro branco e atirou contra o advogado. Depois que Rodrigo caiu, o assassino ainda fez uma sequência de disparos contra a vítima.

Continua após a publicidade

Quem é a vítima

Rodrigo Marinho Crespo tinha 42 anos e era sócio-fundador de escritório com foco em direito empresarial. Ele era formado na PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e também tinha pós-graduação em Direito Civil Empresarial pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Áreas de atuação do escritório incluem Direito do Entretenimento e Jogos e mercado de criptoativos. A descrição sobre o primeiro tema, no site do escritório, informa atividades em segmentos como loterias estaduais e consultoria para implantação de operações relacionadas a jogos que possuem amparo legal, como corridas de cavalos e torneios de pôquer. Crespo escreveu no LinkedIn que costumava falar ali sobre regulamentação do mercado brasileiro de jogos lotéricos e registro de apostas.

A namorada de Rodrigo prestou depoimento à polícia no mês passado. Segundo ela, o namorado disse que "o escritório havia perdido clientes importantes, que estavam passando por problemas financeiros, tendo inclusive vendido seu carro, uma Mercedes-Benz".

Dois dias antes de sua morte, Rodrigo disse à namorada que precisava sair para tratar de assuntos de negócios com uma pessoa chamada Marcelo. O encontro seria no Clube Naval Piraquê, na Lagoa, zona sul da cidade. Ele disse que não poderia levar o celular para a reunião por se tratar de assuntos importantes.

Dias antes da execução, o advogado teria dito a ela que estaria arrecadando fundos para abrir um novo negócio e que faltava encontrar o "operador". Segundo a namorada do advogado, o operador seria Marcelo e o advogado chegou a viajar algumas vezes para São Paulo para tratar de assuntos relacionados a cassinos online.

Deixe seu comentário

Só para assinantes