Conteúdo publicado há 2 meses

Guaíba volta a ficar abaixo de 5 m; nível caiu 42 centímetros em 4 dias

O Guaíba, em Porto Alegre, voltou a ficar abaixo de 5 metros no início da tarde desta quinta-feira (9).

O que aconteceu

Nível atual está em 4,90 metros, segundo medição feita às 15h15 desta quinta-feira (9). O dado é da aferição das réguas da Sema (Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura) e da ANA (Agência Nacional de Águas).

Diminuição no nível do Guaíba foi de 42 centímetros em quatro dias. Na segunda-feira (6), altura da água atingiu 5,32 metros, o maior nível registrado até agora.

Guaíba continua dois metros acima do nível de inundação. A referência é usada como sinalização para possíveis danos nos municípios em torno do corpo d'água.

Mudança de vento afetará o Guaíba na próxima semana. Uma massa de ar frio de origem polar, somada a um vento Sul e prevista para a noite da terça-feira (14), deve fazer o corpo d'água subir pelo menos 20 centímetros em poucas horas, segundo o MetSul.

Novas chuvas são previstas no estado

Chuva com maior intensidade será entre o centro-norte e leste gaúcho, incluindo o litoral norte do estado e o sul de Santa Catarina, segundo o Inmet. Os volumes de chuva podem passar dos 100 milímetros entre os dias 10, 11 e 12 de maio.

Começo da semana terá rajadas de vento entre o oeste e o sul do estado. Entre o fim do domingo (12) e a segunda-feira (13), as rajadas de vento variam de oeste a sul, com velocidade acima de 30 km/h. Já na terça-feira (14), os ventos enfraquecem.

Essa condição acontece devido à instabilidade que retorna com mais força ao Rio Grande do Sul no fim desta semana. Inicialmente, como frente quente, uma vez que a frente fria recua de Santa Catarina para o estado gaúcho.

Continua após a publicidade

Rio Grande do Sul tem mais de 100 mortos

Além dos 107 óbitos, uma morte que pode estar relacionada às chuvas é investigada no estado. Há 374 feridos e 136 pessoas consideradas desaparecidas.

Quase 1,5 milhão de pessoas foram afetadas pelas chuvas em 428 municípios no estado, informou a Defesa Civil. 165.112 estão desalojadas e 67.563 estão acolhidas em abrigos.

Defesa Civil pede que moradores resgatados ainda não voltem para suas casas inundadas. O alerta vale principalmente para quem mora na região metropolitana de Porto Alegre. Segundo o órgão, esses locais atingidos ainda seguem sob alto risco e estão sujeitos a movimentos de massa e transmissão de doenças.

RS tem 380 mil sem luz e mais de 452 mil sem água

Há 379.394 clientes das concessionárias RGE Sul e CEEE Equatorial sem energia elétrica. A maioria vive em regiões inundadas ou em locais com impedimento de acesso das equipes, informou a distribuidora. Até quarta-feira (9), eram 459 mil pontos sem luz.

Continua após a publicidade

Porto Alegre, Guaíba, Eldorado do Sul e Alvorada também têm pontos sem luz. As cidades são atendidas pela CEEE Equatorial, que totaliza, no momento,185.094 pontos sem energia (que representa 10,27% do total de clientes).

São 452.588 de clientes sem água, de um total de 6 milhões de atendidos pela Corsan no RS. Há ainda dezenas de municípios sem serviços de telefonia e internet das companhias Tim, Vivo e Claro, segundo a Defesa Civil.

Rodovias também foram afetadas. Nesta quinta (9), são 81 trechos em 47 rodovias com bloqueios totais e parciais, entre estradas e pontes, segundo atualização às 9h realizada pela Defesa Civil.

O Rio Grande do Sul é atingido por chuvas intensas desde 24 de abril. Cheia que inunda Porto Alegre ainda levará dias para retornar a patamares seguros. O sistema de proteção contra enchentes, que circunda a cidade, foi projetado para suportar até 6 metros de altura.

Deixe seu comentário

Só para assinantes