PUBLICIDADE
Topo

Após polêmica com Uber, Russomanno encontra motoristas de app na 1ª agenda

Russomanno (à esquerda) conversa com a imprensa após encontro no sindicato dos motoristas de aplicativo - Wanderley Preite Sobrinho/UOL
Russomanno (à esquerda) conversa com a imprensa após encontro no sindicato dos motoristas de aplicativo Imagem: Wanderley Preite Sobrinho/UOL

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

29/09/2020 12h33

Em sua primeira agenda de campanha, o candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno (Republicanos) decidiu fazer as pazes com os motoristas de aplicativo após polêmica na campanha municipal de 2016, quando criticou o uso de Uber.

Nesta terça-feira (29), ele foi ao Sindicato dos Motoristas de Aplicativos, em São Miguel Paulista, zona leste da cidade. No encontro, Russomanno recebeu uma lista de reivindicações que buscam equiparar os direitos desses trabalhadores ao de taxistas, como a possibilidade de usar o mesmo veículo por dez anos.

"Nunca fui contrário aos aplicativos", afirmou o candidato após o encontro. "Na época, [os apps] estavam chegando e não sabíamos o resultado."

Declaração polêmica

Em 2016, o candidato a prefeito buscava o voto dos taxistas, que estavam mobilizados contra o decreto do então prefeito Fernando Haddad (PT) que autorizava o uso do app na cidade.

"A questão do Uber está na ilegalidade", afirmou, à época. "O Código de Trânsito estabelece que, para transporte coletivo, individual ou de carga, os veículos têm que transitar com placas vermelhas."

Hoje, ele defendeu que, desde a campanha de 2016, "o modal por aplicativo é um sucesso".

Presidente do sindicato, Leandro da Cruz minimizou as declarações de Russumanno feitas há quatro anos. "A gente não é contra uma declaração de 2016", afirmou ele, que disse preferir se concentrar em fechar acordo com todos os candidatos a prefeito "porque não houve mesa de negociação com atual prefeito".

Debates

Russomanno, que não fez pré-campanha nem saiu de casa no domingo (27), primeiro dia oficial de campanha, seguirá com poucos compromissos externos nos próximos dias.

Depois de participar de reuniões na segunda-feira (28) e só buscar votos hoje, ele deverá passar a quarta e quinta-feira se preparando para o primeiro debate entre os candidatos, marcado para a noite de quinta (1º), na TV Bandeirantes.

O candidato do Republicanos lidera a primeira pesquisa de intenções de voto do Datafolha e já se prepara para os ataques de adversários. Sua postura no debate, contudo, será definida pelo marqueteiro, ainda a ser escolhido. Pelo menos três são avaliados pela coordenação da campanha, que pretende bater o martelo antes do debate.

Ontem, o partido de Russomanno divulgou nota dizendo que não pretende comparecer a debates em que faltem candidatos. O texto foi interpretado como um recado à Rede Globo, que decidiu recentemente que só reunirá os primeiros colocados nas pesquisas a fim de evitar aglomerações nos estúdios em meio à pandemia do novo coronavírus.

Mais carreatas, menos corpo a corpo

Embora tenha tido uma reunião com os motoristas de aplicativo, Russomanno pediu a seus colaboradores que evitem agendas de corpo a corpo, envolvendo mais gente. Ele considera que alguns encontros serão inevitáveis, mas a ordem é privilegiar as carreatas.

O candidato espera que a opção estabeleça contato visual com o eleitor e, ao mesmo tempo, evite a disseminação do vírus pelo contato físico.