PUBLICIDADE
Topo

Datafolha RJ: Martha Rocha cresce, e Crivella despenca entre mulheres

18 out.2020 - Martha Rocha (PDT) faz caminhada na feira livre do Andaraí, na zona norte do Rio - MAGA JR/ESTADÃO CONTEÚDO
18 out.2020 - Martha Rocha (PDT) faz caminhada na feira livre do Andaraí, na zona norte do Rio Imagem: MAGA JR/ESTADÃO CONTEÚDO

Herculano Barreto Filho

Do UOL, no Rio

23/10/2020 16h31

A pesquisa Datafolha para a Prefeitura do Rio divulgada ontem mostrou que o eleitorado feminino impulsionou o crescimento de Martha Rocha (PDT) e desidratou Marcelo Crivella (Republicanos) —ambos estão empatados com 13% das intenções de voto juntamente com Benedita da Silva (PT), que marca 10%. Eduardo Paes (DEM) lidera com 28% das intenções de voto.

Com três pontos a mais do que na pesquisa passada, Martha subiu de 9% para 13% entre as mulheres, enquanto o prefeito do Rio despencou de 13% para 9% nesse segmento. Nos votos totais, Crivella oscilou de 14% para 13% em relação ao levantamento anterior. Especialistas ouvidos pelo UOL dizem acreditar que a baixa rejeição de Martha aumenta as suas chances de superar Paes —com 45% contra 41%, ela é a única que tem vantagem sobre o ex-prefeito na simulação do 2º turno.

Martha disputa o voto feminino com Benedita da Silva (PT) e Renata Souza (PSOL). Benedita registrou crescimento semelhante ao de Martha, aumentando de 8% para 12% entre as mulheres na comparação com a pesquisa divulgada no dia 8 deste mês. Nos votos totais, Benedita oscilou positivamente de 8% para 10%.

Já Renata variou de 4% para 5% no segmento feminino, somando 5% dos votos totais —dois pontos a mais do que o levantamento anterior.

Disputa por voto feminino limita alta de Martha

O cientista político Ricardo Ismael diz que essa disputa impediu uma alta ainda mais expressiva de Martha. Contudo, prevê um possível crescimento na reta final se ela se consolidar como principal alternativa para o 2º turno.

O voto útil deve ser levado em consideração pelos eleitores nos últimos dias de campanha. Mas a Benedita e a Renata ainda acreditam que podem chegar lá. Eu diria que não é hora para eleitores e candidatos jogarem a toalha. Mas a Martha está em vantagem, porque tem menos rejeição do que Benedita e mais experiência do que Renata

Ricardo Ismael, cientista político

O bom desempenho também é impulsionado pela baixa rejeição. Com apenas 7% de rejeição, ela tem o menor índice entre os 14 candidatos. O Datafolha indagou quem os eleitores não votariam de jeito nenhum. Com 58%, Crivella lidera essa estatística. Paes aparece em 2º lugar, com 31%, empatado com Clarissa Garotinho (Pros). Benedita está em 4º, com 27%.

"Com baixa rejeição, Martha consegue esse voto de oposição a Eduardo Paes", analisa Ismael.

O cientista político Paulo Baía concorda. "Ele conseguiu um grande impulso na campanha combinando a baixa rejeição com uma curva de crescimento contínua", analisa.

Ele avalia a campanha como "surpreendente", atribuindo o crescimento à identificação com o público feminino. Baía ainda citou a aproximação com as favelas, intensificada após o anúncio como vice de Anderson Quack, fundador da Cufa (Central Única das Favelas).

A Martha Rocha tem um nome conhecido na cidade do Rio e foi feliz ao mostrar uma trajetória de mulher bem-sucedida, que veio de uma família de classe média da zona norte, cresceu e serve de exemplo para as outras mulheres. A escolha pelo Anderson Quack deu abertura para um segmento popular de 2 milhões de favelados

Paulo Baía, cientista político

Segundo Baía, a pesquisa Datafolha dá indícios de que a pedetista chegará ao 2º turno. "Ela é quem tem maior potencial de crescimento."

Realizada entre os dias 20 e 21 deste mês, a pesquisa Datafolha ouviu 1.008 pessoas. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, com margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Errata: o texto foi atualizado
Os índices de rejeição de Marcelo Crivella (58%) e Eduardo Paes (31%) foram trocados na primeira versão desta reportagem. A informação foi corrigida.