PUBLICIDADE
Topo

TRE redistribui tempo de campanha em São Paulo após desistência de Sabará

Filipe Sabará deixou disputa após ser expulso do Partido Novo - Divulgação
Filipe Sabará deixou disputa após ser expulso do Partido Novo Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

30/10/2020 20h25

O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) definiu hoje uma redistribuição do tempo da propaganda eleitoral dos candidatos à Prefeitura de São Paulo na televisão e no rádio. A decisão foi necessária após a desistência oficial de Filipe Sabará (sem partido), que concorria inicialmente no pleito pelo Partido Novo.

Em determinação da 2ª Zona Eleitoral de São Paulo, a Justiça definiu que o tempo de campanha destinado a Sabará nos meios de comunicação será redistribuído aos demais candidatos. O tempo a ser acrescentado vale tanto para propagandas em bloco no horário eleitoral como para inserções ao longo da programação.

O TRE-SP também confirmou que, como a candidatura de Sabará foi indeferida no último domingo (25) e ele preferiu não recorrer da decisão, seu nome também não constará na urna eletrônica.

Apesar de praticamente fora da disputa pela Prefeitura de São Paulo, Sabará ainda teve sua propaganda eleitoral exibida normalmente até ontem, quando ele oficializou sua desistência. Hoje, a campanha dele não foi mais ao ar na televisão e no rádio.

Sabará deixou o pleito em meio a uma disputa com o Novo. Ainda no último dia 21, o partido anunciou a expulsão do candidato. No entanto, a decisão não o tirava da disputa.

No último sábado (24), o partido solicitou à Justiça eleitoral a renúncia da candidata à vice na sua chapa, a economista Maria Helena. A legenda ainda pediu a exclusão da candidatura porque afirmou que não iria indicar um novo candidato a vice.

A justificativa oficial do Novo foi de que o candidato apresentou inconsistências em seu currículo. Sabará, porém, chegou a afirmar que foi expulso do partido por apoiar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e atribuiu sua saída a uma rivalidade com o fundador e ex-presidente da legenda, João Amoedo, candidato à presidência em 2018.