PUBLICIDADE
Topo

Covas recebe apoio de evangélicos por manter igrejas abertas na pandemia

O candidato à reeleição Bruno Covas recebe benção durante reunião de líderes da Igreja Assembleia de Deus Madureira - Divulgação
O candidato à reeleição Bruno Covas recebe benção durante reunião de líderes da Igreja Assembleia de Deus Madureira Imagem: Divulgação

Felipe Pereira e Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

22/11/2020 14h37Atualizada em 22/11/2020 15h34

Em busca da reeleição para a Prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) dedicou o domingo a compromissos em igrejas evangélicas. Ele esteve no altar da Assembleia de Deus e da Igreja Mundial do Poder de Deus e, em ambas ouviu agradecimentos por ter mantido os templos abertos durante a pandemia.

O Datafolha de quinta-feira mostra que Covas está a frente nas intenções de votos junto ao eleitorado evangélico. Ele tem 52% e Guilherme Boulos (PSOL) aparece com 29%. A agenda de campanha de hoje busca consolidar esta vantagem, mas o prefeito não falou enquanto esteve no altar das duas igrejas porque a legislação eleitoral proíbe.

Mas os pastores falaram e as manifestações de apoio foram explícitas. Líder da Igreja Mundial, o pastor Valdemiro Santiago citou a liberação do alvará da igreja como prova de compromisso do trabalho de Covas pelas evangélicos.

"Quando este homem entrou lá uma das prioridades dele foi conceder o alvará desta obra, desta igreja. Então muito obrigado prefeito, que Deus te abençoe cada vez mais."

Covas negou que houve favorecimento em troca de apoio político. Acrescentou que a legislação que legalizou os templos também beneficiou centenas de milhares de imóveis.

"Não há nenhum tipo de compra de apoio. A lei de Anistia de edificações regularizou mais de 200 mil imóveis na cidade de São Paulo. Templos e não templos. Lugares de comércio, residências."

Na Igreja Mundial do Reino de Deus o discurso do pastor teve caráter mais político que na Assembleia de Deus. O pastor Valdemiro Santiago disse que ouviu uma entrevista de uma pessoa que desejava a liberação das drogas. Ele não citou nomes, mas era uma ilação a Boulos. Na sequência, o religioso disse que outra entrevista acalmou seu coração.

"Então eu vi uma outra entrevista de uma pessoa que diz o seguinte. Que foi colocado numa saia justa, foi obrigado, constrangido a fazer uma escolha. Fechar ou liberar as igrejas para funcionar [durante a pandemia]. E ele diz: optei por liberar porque a igreja é o hospital da alma. E isso me ajudou a esquecer o que o outro falou sobre drogas."

O pastor afirmou que não tem partido político ou está fazendo campanha, mas na sequência chamou se aproximou de Covas, que estava no altar, e pediu a benção a ele.

"Eu estou falando de uma pessoa que eu tenho carinho muito grande, uma admiração. Eu não sou de nenhum partido, também não estou fazendo campanha para ninguém. Eu queria pedir a benção para esta pessoa que confessou que a igreja é o hospital da alma. Eu quero pedir para Bruno Covas a oração."

Valdemiro Santiago tem histórico de apoios políticos e em 2018 pediu votos para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O candidato à reeleição Bruno Covas se encontra com o pastor Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus - Divulgação - Divulgação
O candidato à reeleição Bruno Covas se encontra com o pastor Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus
Imagem: Divulgação

Boulos diz que é fake news e critica Covas

O candidato Guilherme Boulos tratou a ilação feita pelo pastor Valdemiro Santiago como fake news. Ele criticou o adversário que, na sua avaliação, estaria apelando para mentira e vale tudo na tentativa de vencer a eleição.

"Eu fico triste e eu acho que o Bruno Covas se diminuiu quando ele apela para fake news, seja feita diretamente, seja quando ele terceiriza isso na boca de alguém. Quando ele apela para o discurso de medo, quando ele apela para mentira. Ele podia ser melhor do que isso, ele podia fazer uma campanha mas digna e mais limpa do que isso."

Boulos atribui este comportamento aos resultados das pesquisas e percepção de que sua candidatura está crescendo.

"Eles estão vendo que a cada pesquisa a gente cresce, eles tão vendo que tem uma onda de mudança e de virada na cidade de São Paulo e com isso parece que entraram para ao vale tudo na eleição inventando mentira e mais uma vez jogando com ódio."

Encontro com jovens e lideranças da Assembleia de Deus

O primeiro evento com evangélicos do domingo foi participação na Reunião de Jovens da Assembleia de Deus. Covas estava no altar quando o pastor Adauto Silva, dizendo falar em nome da igreja, agradeceu pela decisão de manter os templos abertos durante a pandemia.

O religioso não citou o câncer enfrentado pelo prefeito, mas disse que ele atravessou o vale das sombras. Era uma referência ao salmo 23, que começa com a frase "o senhor é meu pastor e nada me faltará".

O trecho citado pelo pastor diz: "Ainda que eu ande pelo vale da sombra, não temerei mal algum porque Tu estás comigo". O salmo é bastante importante para religiosos porque expressa a confiança do fiel em Deus.

Na sequência, o prefeito participou de um evento de líderes da Assembleia de Deus, mas a imprensa não foi autorizada a acompanhar.

O candidato à reeleição, Bruno Covas, durante culto da Igreja Assembleia de Deus Belém - Divulgação - Divulgação
O candidato à reeleição, Bruno Covas, durante culto da Igreja Assembleia de Deus Belém
Imagem: Divulgação

Covas diz que estado é laico, mas povo é religioso

O candidato afirmou que as pesquisas indicando maioria de votos entre evangélicos não importam porque o que conta é o voto na urna. Ele disse que respeita todas as religiões e esteve em mesquitas e sinagoga.

"O estado é laico, mas a população é religiosa. Eu preciso respeitar a diversidade de credos. Estive na Marcha para Jesus, mesquita no Ramadã e sinagoga no Ano-Novo judaico."

O prefeito declarou ainda que solicitou ajuda de igrejas durante a pandemia. Contou que as entidades foram procuradas e feito o pedido que intensificassem o trabalho social. Covas fez uma parada para almoçar e encerra o dia em um culto na Igreja Mundial no bairro Santo Amaro.

Covas este em outra celebração da Igreja Mundial à tarde. Mais uma vez ele colheu elogios do pastor Valdemiro Santiago, mas desta vez não houve menção à liberação de drogas.