PUBLICIDADE
Topo

Trevisan: Racismo do caso João Alberto expôs falta de projeto de candidatos

Do UOL, em São Paulo

28/11/2020 04h00

Brutalmente espancado por seguranças de um supermercado Carrefour em Porto Alegre até morrer, João Alberto Silveira Freitas, 40, foi o nome que marcou do Dia da Consciência Negra no Brasil. Diante da morte deste homem negro, a discussão sobre racismo mostrou, na opinião da colunista do UOL Maria Carolina Trevisan, que muitos candidatos à eleição no segundo turno 'não têm ideia do que é uma política pública de enfrentamento ao racismo'.

"Isso vai revelando quem são as pessoas que lutam contra o racismo e quem tem resquícios de racismo, ou racismo mesmo dentro de si mesmo, porque o racismo é estrutural, então ele está em todos nós enquanto sociedade", disse Trevisan. (Ouça a partir do minuto 11:21).

No podcast Baixo Clero #67, apresentado por Carla Bigatto e com a participação também de Diogo Schelp, Trevisan também disse não se possível negar a existência de racismo no país, em referência à declaração do vice-presidente Hamilton Mourão no Dia da Consciência Negra: "Digo com toda a tranquilidade: não existe racismo no Brasil. É uma coisa que querem importar, mas aqui não existe" após a morte de João Alberto na noite anterior.

Para Trevisan, a fala de Mourão mostra que governo ignora políticas de enfrentamento ao racismo. "Quando um vice-presidente da República diz que não existe racismo num país racista como o Brasil, estão evocando um conceito de democracia racial da época da ditadura, que mostra que o apagamento da questão da raça faz com que você também ignore as políticas de enfrentamento ao racismo", disse ela. (Ouça a partir do minuto 09:25).

Diogo Schelp afirmou que esse tipo de afirmação "coloca a pessoa num extremo do espectro político". "Com certeza existem várias visões diferentes de como combater o racismo. Agora, dizer que não existe, coloca a pessoa num extremo do espectro político que é, no caso, a extrema direita, que nos EUA não só nega, como incentiva e enaltece manifestações racistas", disse Schelp. (Ouça a partir do minuto 13:10).

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Orelo, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.