Topo

Novo papa já escreveu livros sobre Fidel Castro e Holocausto

Do UOL, em São Paulo

2013-03-14T06:00:00

14/03/2013 06h00

Eleito papa Francisco nesta quarta-feira (13), o argentino Jorge Mario Bergoglio teve mais de dez livros publicados, entre eles obras que tratam do líder cubano Fidel Castro e de temas como o Holocausto.

Publicado em 1998, “Dialogos entre Juan Pablo II y Fidel Castro” (“Diálogos entre João Paulo 2º e Fidel Castro” trata das relações entre o pontífice e o cubano. Na obra, Bergoglio sustenta que Fidel queria uma aliança entre cristãos e socialistas.

"[Fidel] prosseguiu as suas tentativas de encontrar e demonstrar a convergência ou ponto de conexão entre o catolicismo e os princípios da revolução". O livro contém críticas ao regime cubano e ao socialismo.

Em 2010, Bergoglio publicou a obra “Sobre el cielo y la tierra” (“Sobre o céu e a terra”), escrita com o rabino argentino Abraham Skorka. O livro traz reflexões presentes em diálogos entre ambos, ao longo de duas décadas, sobre vários temas, como o Holocausto, Deus, fundamentalismo, ateísmo, morte e capitalismo.


Em 2005, foi publicada a obra “Corrupción y pecado”, reedição de um artigo escrito em 1991 no qual Bergoglio trata das razões subjetivas e afetivas que levam os indivíduos a praticar atos de corrupção. No texto, o pontífice diz que “o pecado se perdoa, mas a corrupção não pode ser perdoada".

“Na base de toda a atitude corrupta há um cansaço de transcendência: frente a Deus, que não se cansa de perdoar, o corrupto (..) cansa de pedir perdão.”

Conclave para escolha do novo papa
Conclave para escolha do novo papa
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71210', '')

A obra de Bergoglio ainda traz volumes sobre religião (“Meditação sobre Religiosos”, “Reflexões sobre a vida apostólica”, “Reflexões de esperança”, “Sobre a acusação a si mesmo”, “O verdadeiro poder é o servir”) e educação ("Desafios para Educadores Cristãos", "Educar, Eleger a Vida", “Educar: exigência e paixão”).

O pontífice também escreveu livros com reflexões sobre a construção da Argentina (“A nação por construir”, “Colocar a pátria no ombro”).

Perfil conservador

Na Argentina, Bergoglio é conhecido pelo conservadorismo e pela batalha contra o kirchnerismo. O prelado também é reconhecido por ser um intenso defensor da ajuda aos pobres.

O argentino costuma apoiar programas sociais e desafiar publicamente políticas de livre mercado.

Bergoglio é considerado um ortodoxo conservador em assuntos relacionados à sexualidade, se opondo firmemente contra o aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o uso de métodos contraceptivos.

Em 2010, entrou em controvérsia pública com a presidente Cristina Kirchener ao afirmar que a adoção feita por casais gays provoca discriminação contra as crianças.

Em seu primeiro discurso, feito logo após o anúncio de seu nome, Francisco agradeceu ao acolhimento da comunidade de Roma e, também lembrou do papa emérito Bento 16, seu antecessor.

Ele bateu outros cardeais considerados favoritos, como o italiano Angelo Scola e o brasileiro Odilo Scherer.

Novo papa nasceu em Buenos Aires e começou a carreira eclesiástica no norte da Argentina.

Primeiro papa latino-americano da história da Igreja Católica, Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires, capital da Argentina, em 17 de dezembro de 1936.

Foi ordenado sacerdote em 13 de setembro de 1969. O jesuíta foi nomeado bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires pelo papa João Paulo 2º em 20 de maio de 1992. No mesmo ano, ele foi confirmado como bispo titular da capital argentina em 27 de junho.

Conclave para escolha do novo papa
Conclave para escolha do novo papa
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71210', '')

A nomeação como arcebispo também foi feita por João Paulo 2º em 3 de junho de 1997. Chegou ao posto de cardeal pelas mãos do mesmo papa em 21 de fevereiro de 2001.

Bergoglio é o 266ª papa da história da Igreja Católica. Filho de um casal de italianos --Mario e Regina Bergoglio--, o religioso jesuíta chegou a se formar como técnico químico, mas logo abraçou o sacerdócio e começou seus estudos religiosos no seminário de Villa Devoto, bairro da capital argentina.

Estudou na faculdade de teologia do colégio de San José, em San Miguel de Tucumán, cidade no norte da Argentina.

Seu sacerdócio começou em 1969, mesmo ano em que foi para Espanha completar sua formação intelectual de jovem sacerdote na universidade Alcalá de Henares, em Madri. A partir de seu retorno à Argentina, em 1972, continuou sua carreira apostólica no norte do país, na mesma San Miguel de Tucumán.

Bergoglio retornou a Europa em 1986, na Alemanha, para concluir seu doutorado, mas acabou retornando ao seu país no mesmo ano para assumir o cargo de diretor espiritual e confessor da Companhia de Jesus, em Córdoba.

Seu retorno à cidade natal aconteceu em 1992, quando foi nomeado por João Paulo 2º bispo de Auca e auxiliar de Buenos Aires.

Escolha aconteceu 13 dias após renúncia de Bento 16

Após 13 dias da renúncia de Bento 16, a quinta votação do conclave, realizada na tarde desta quarta-feira (13), terminou com a escolha do novo papa. Às 15h07 (Brasília), uma fumaça branca saiu da chaminé da capela Sistina, indicando que os cardeais chegaram a um consenso sobre o próximo líder da Igreja Católica Apostólica Romana.

MAIS SOBRE O NOVO PAPA

  • Veja frases do papa Francisco

  • Personalidades comentam eleição

  • Anúncio provoca choro e emoção

Os sinos da basílica de São Pedro confirmaram que o novo pontífice recebeu ao menos dois terços dos votos dos cardeais e já aceitou a missão de comandar a Santa Sé.

A escolha foi realizada por 115 cardeais, sendo cinco brasileiros: dom Raymundo Damasceno Assis, 76; dom Odilo Scherer, 63; dom Geraldo Majella Agnelo, 79; dom Cláudio Hummes, 78; e dom João Braz de Aviz, 64.

Estavam aptos a votar apenas os cardeais com menos de 80 anos. A presença deles, segundo o Vaticano, era obrigatória. No entanto, dois eleitores conseguiram a dispensa necessária para não participarem da votação, um por motivo de saúde (cardeal indonésio Julius Darmaatjadja) e outro por ter renunciou ao cargo (cardeal britânico Keith O'Brien).

A renúncia

Bento 16 anunciou sua renúncia no dia 11 de fevereiro em um discurso pronunciado em latim durante um encontro de cardeais no Vaticano. Ao justificar sua decisão, o pontífice de 85 anos alegou fragilidade por conta da idade avançada.

O pontífice disse que "no mundo de hoje (...), é necessário o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado".

O Vaticano negou que uma doença tenha sido o motivo da renúncia. Mas, segundo o jornal "O Estado de S.Paulo", uma disputa interna de poder praticada por ex-aliados nos últimos meses pode ser uma das razões para a tomada de decisão do pontífice. Esta é a primeira vez na era moderna que um papa da Igreja Católica renuncia ao pontificado.

Já o jornal italiano "La Reppublica" relacionou a renuncia do pontífice a um relatório com cerca de 300 páginas sobre o escândalo do vazamento de documentos confidenciais da Santa Sé, redigido por três cardeais e entregue a Bento 16 em dezembro de 2012. O Vaticano reconheceu a existência do documento, mas descartou qualquer relação com a decisão do papa. 

A renúncia de Bento 16 foi oficializada no dia 28 de fevereiro. Ao se despedir dos cardeais no Vaticano, o papa Bento 16 disse que oferece ao futuro papa sua "obediência incondicional". "Entre vocês, do Colégio Cardinalício, está o futuro papa, a quem eu prometo meu respeito incondicional e obediência. Continuarei perto de vocês com orações, especialmente nestes dias [do conclave], para que sejais plenamente dóceis à ação do Espírito Santo na eleição do papa", afirmou o atual papa emérito. 

 

Mais Internacional