PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Greenwald defende Globo e diz que tem consciência das 'falhas' da emissora

Mauricio Stycer

Do UOL, em São Paulo

10/09/2013 15h28

No último sábado (7), um dia antes de o “Fantástico” exibir uma segunda reportagem feita em parceira com Glenn Greenwald, o jornalista americano publicou um texto no jornal britânico “The Guardian”, no qual adiantou alguns aspectos do trabalho.

Um leitor questionou Greenwald sobre a sua parceria com a Globo. “Entendo que você está recorrendo à Rede Globo para ver estas reportagens publicadas. Mas, por favor, não se esqueça (e morando no Brasil tenho certeza de que você sabe disso) que a Globo é a melhor amiga dos Estados Unidos. Eles, juntamente com os EUA, apoiaram o golpe militar e têm uma história terrível no Brasil.”

Greenwald achou que o comentário merecia resposta. Disse que tem “perfeita consciência das falhas da Globo”, mas ressalvou: “Assim como das falhas da maioria dos grandes meios de comunicação com os quais trabalho”. Elogiou a repórter Sonia Bridi e assegurou que não estaria agindo em parceria com a emissora brasileira se não tivesse “total independência editorial”.

Glenn Greenwald tem divulgado documentos secretos obtidos por Edward Snowden, ex-técnico da NSA, a agência de segurança americana. Em entrevista ao UOL, na última semana, o jornalista disse: "Não tenho dúvida de que o Brasil é o grande alvo dos Estados Unidos. Vou publicar todos os documentos até o último documento que deva ser publicado. Estou trabalhando todo dia".

Na primeira reportagem feita em parceira com a Globo, Greenwald revelou que o governo americano espionou inclusive os e-mails da presidente Dilma Rousseff e de seus assessores próximos. Na segunda, vista neste domingo (8), mostrou que a Petrobras também é alvo de espionagem do governo americano.

Na íntegra da resposta que Greenwald deixou registrada no site do “Guardian” (a tradução é minha): “Tenho perfeita consciência das falhas da Globo, assim como das falhas da maioria dos grandes meios de comunicação com os quais trabalho. Para mim, no momento, o objetivo é maximizar o impacto das matérias. Sinto uma obrigação, pelo Snowden, de fazer isso, e também com a matéria. Os jornalistas com quem eu tenho trabalhado na Rede Globo - especialmente Sonia Bridi - são incrivelmente bons. Tivemos total independência editorial, até agora (eu, obviamente, nunca trabalharia em uma situação em que não fosse este o caso). E o trabalho que eles fizeram comigo tem sido muito bom”.

Internacional