PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Quem manda na Venezuela: Maduro ou Guaidó? Veja perguntas e respostas

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

22/02/2019 19h54

De um lado, Nicolás Maduro, presidente da Venezuela reeleito em meio a denúncias de fraude no processo eleitoral. Do outro, o opositor Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país. Mas, com dois presidentes, quem manda, de fato, na Venezuela?

Guaidó solicitou a entrada de ajuda humanitária no país, mas a entrega de alimentos e medicamentos, enviados pelos Estados Unidos, não deve ser facilitada por Maduro.

O ditador, que argumenta que a ajuda humanitária seria uma forma de invadir o país militarmente e tirá-lo do poder, já fechou as fronteiras do país com o Brasil e ameaçou fechar com a Colômbia. Na fronteira brasileira, está prevista para acontecer, amanhã, a entrega da ajuda humanitária.

"O poder está dividido na Venezuela", diz Vinicius Vieira, professor de relações internacionais da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

"Maduro conseguiu fechar as fronteiras. Ele tem o poder militar, de controle, de quem entra e sai do território. Por outro lado, dentro do território não está claro quem manda", diz.

Segundo ele, Maduro ainda conta com o poder relacionado aos militares, ao controle da economia e aos meios de produção, "mas tudo indica que Guaidó vem conquistando cada vez mais legitimidade junto à população, que parece querer uma solução pacífica" para a crise no país.

Já Maristela Basso, professora de direito internacional da USP (Universidade de São Paulo), diz que o poder está nas mãos de Maduro. 

"Por mais que se diga que as eleições foram fraudadas, ele ainda está no poder. Não houve nenhuma moção para retirada do Maduro. Ele é um presidente", afirma. Veja essa e outras dúvidas sobre a crise.

Por que as fronteiras foram fechadas?

Os professores analisam que o fechamento das fronteiras por Maduro representa uma tentativa de manifestação de força.

"Para Maduro é interessante, primeiro, porque ele sinaliza para o público, para o pessoal da Venezuela que ele diz governar, que ele ainda manda no país, e não Guaidó", diz Vieira.

"Ele fecha as fronteiras como uma medida de demonstração de poder, de exercício pleno da soberania dele", afirma Maristela.

"Segundo, ele sinaliza que quem está querendo ajudar a Venezuela, basicamente os Estados Unidos, a Colômbia e o Brasil, na verdade querem prejudicar o país --ou seja, que ele [Maduro] está fazendo algo para proteger a população", completa Vieira.

Por que a Venezuela precisa de ajuda humanitária?

Apesar de haver dados conflitantes sobre a situação no país, os professores dizem que há indicadores de que parte da população venezuelana esteja passando por necessidades alimentares --ou seja, passando fome.

"Nesse grupo de pessoas há crianças", diz Maristela, ressaltando o eventual risco de a desnutrição levar a sequelas cerebrais.

"A ajuda humanitária acontece quando a população de determinado país esteja prestes a passar por necessidades que levariam em última instância ao seu desaparecimento, quando a sua sobrevivência está comprometida", diz Vieira.

Qual o papel do Brasil na crise da Venezuela?

Vieira lembra que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) já se declarou "claramente contrário" ao governo Maduro, quebrando o comportamento de governos anteriores pela não intervenção na política de outros países.

Mesmo assim, ele avalia que o governo Bolsonaro não está tentando invadir a Venezuela e que respeita a soberania do país vizinho, mas tem interesse em mantê-lo "estável".

"O Brasil se propõe a ajudar, primeiro, porque temos uma fronteira com a Venezuela", diz Maristela. "Temos brasileiros vivendo do outro lado da fronteira. A fronteira não é um muro, ela é humana", afirma.

Na avaliação da professora, no entanto, a ação de ajuda humanitária poderia ter sido feita de forma mais "discreta". "Essa ajuda tem que promover a paz e a segurança, e não trazer mais problemas. Essa ajuda humanitária está trazendo mais problemas do que solução", diz.

Internacional