PUBLICIDADE
Topo

Pouco antes de receber Guaidó, Bolsonaro indica disposição de ver Maduro

O presidente Jair Bolsonaro durante café da manhã com jornalistas - Marcos Corrêa/Presidência da República
O presidente Jair Bolsonaro durante café da manhã com jornalistas Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

Luis Kawaguti

Do UOL, em Brasília

28/02/2019 15h23

Horas antes de receber o autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) demonstrou disposição em encontrar Nicolás Maduro --considerado por grande parte da comunidade internacional, inclusive o Brasil, como ditador à frente da Venezuela.

Se o Trump [presidente dos EUA] pode conversar com o Kim [Jong-un, ditador da Coreia do Norte], posso conversar com Maduro também

As declarações foram dadas hoje em café da manhã com um grupo de 11 jornalistas selecionados pelo Palácio do Planalto. O UOL esteve presente.

"Eu acho que o Maduro está dando sinal de que quer conversar. O Maduro não quer acabar como o Saddam Hussein", afirmou Bolsonaro. Saddam Hussein foi deposto por forças americanas na guerra do Iraque em 2003 e acabou executado em 2006.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já se referiu a Maduro como "ex-presidente" e declarou "apoio irreversível e incondicional à libertação da Venezuela".

No Palácio do Planalto, o opositor venezuelano Juan Guaidó foi recebido à tarde por estrutura semelhante à dedicada a chefes de Estado e tratado por Bolsonaro como "presidente encarregado".

No encontro com jornalistas, o presidente também afirmou que a Venezuela tem cerca de 2.000 generais e que muitos deles teriam ligação com o tráfico internacional de drogas. Essa ligação seria, na sua opinião, um grande problema para Maduro.

Bolsonaro e o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, também afirmaram que o presidente venezuelano mantém a lealdade de seus altos oficiais com ajuda de milhares de agentes de inteligência de Cuba, que evitam desobediências e deserções.

Bolsonaro: Vamos ajudar a Venezuela, mas dentro das nossas tradições

UOL Notícias

Internacional