PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Tiros deixam mortos e feridos em Utrecht, na Holanda

Mirthyani Bezerra e Eduardo Lucizano

Do UOL, em São Paulo

18/03/2019 08h13Atualizada em 18/03/2019 13h16

Três pessoas morreram e cinco ficaram feridas após um atirador fazer disparos em um bonde elétrico na cidade de Utrecht, no sul da Holanda (a cerca de 50 km de Amsterdã). O caso ocorreu por volta de 10h45 (6h45 em Brasília) e, até as 12h, o atirador ainda não havia sido localizado. A polícia diz temer por novos incidentes.

As mortes foram confirmadas pelo prefeito da cidade, Jan van Zanen, e, segundo ele terrorismo é "o motivo mais plausível". Não há informações sobre a identidade do atirador nem das vítimas.

No Twitter, a polícia holandesa divulgou a foto de um homem identificado como Gökmen Tanis, 37, de origem turca, que teria conexão com o ataque. Junto da imagem, o aviso: "Não se aproxime dele mas ligue imediatamente". Segundo a agência de notícias EFE, as autoridades policiais estavam monitorando uma casa na área de Kanaleneiland, em Utrecht, onde o atirador poderia estar escondido.

Suspeito Holanda - Reprodução/Twitter/@PolitieUtrecht - Reprodução/Twitter/@PolitieUtrecht
Gökman Tanis, 37, é suspeito de ter participação no ataque a tiros no bonde elétrico, em Utrecht
Imagem: Reprodução/Twitter/@PolitieUtrecht
Segundo o coordenador Nacional de Contraterrorismo e Segurança da Holanda, Pieter-Jaap Aalbersberg, foram registrados tiros em outros pontos da cidade. "Uma grande operação policial está em andamento para encontrar o atirador", afirmou.

Ataque aconteceu em área movimentada

Segundo testemunhas, um homem fez disparos aleatórios e contínuos contra pedestres na praça 24 de Outubro, área de grande movimentação no oeste da cidade.

O departamento de contraterrorismo da Holanda elevou para o nível máximo a ameaça de terrorismo na cidade, mas afirmou que não há razão para aumentar o nível de ameaça no restante do país.

atentando-holanda - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
Entre as medidas de segurança tomadas pelo governo após o ataque, escolas foram orientadas a manterem seus alunos dentro das unidades de ensino e todas as mesquitas da cidade foram evacuadas. Em Amsterdã, o aeroporto de Schiphol --um dos principais da Europa--, teve a segurança reforçada, assim como outros grandes centros de transporte. Por precaução, a sede do governo, em Haia, também recebeu reforço.

Testemunhas assinalaram que há mais de uma pessoa envolvida no tiroteio, mas, por enquanto, a polícia só confirma a participação de um indivíduo. "O mais importante no momento é cuidar dos feridos e investigar as circunstâncias do incidente. Nós não excluímos nada, nem mesmo um ataque terrorista", disse o prefeito por meio de nota.

Atirador fugiu em carro roubado

O atirador teria deixado a cena do crime em um Renault Clio vermelho. Segundo a polícia, o roubo de um carro do mesmo modelo e cor foi reportado um pouco antes do ataque e abandonado a 4 km do local.

Helicópteros foram enviados para a cena do crime para monitorar a situação.

Uma testemunha reportou ao veículo de imprensa "NU" que o homem começou a atirar aleatoriamente contra quem estava ao seu redor. À NRC, uma testemunha disse que ele parecia mirar nas pessoas que estavam sentadas. "O motorista não conseguiu abrir as portas imediatamente, mas dois rapazes perto de mim quebraram a janela para que eu pudesse sair", contou, sem se identificar.

Internacional