Topo

Multidão fecha aeroporto e pede democracia: Barcelona repete Hong Kong?

Multidão com bandeira independentista toma acesso do aeroporto de El Prat, em Barcelona - Josep Lago / AFP
Multidão com bandeira independentista toma acesso do aeroporto de El Prat, em Barcelona Imagem: Josep Lago / AFP

Luisa Picanço

Colaboração para o UOL, no Rio

16/10/2019 04h01Atualizada em 16/10/2019 20h37

Resumo da notícia

  • Espanha condenou separatistas catalães por tentativa fracassada de separação
  • Barcelona vive dias de caos após a divulgação da sentença
  • Protestos lembram estética e estratégia vistas em Hong Kong

Convocada pelas redes sociais, uma multidão de manifestantes bloqueia o aeroporto. A maioria é pacífica, e a polícia intervém com brutalidade. Cartazes pedem democracia e se queixam de decisões tomadas por um governo que, para boa parte dos que protestam, não lhes representa.

Apesar as inúmeras diferenças de contexto e de cenário, as semelhanças na forma e na narrativa gritam aos olhos de quem vê de longe: falamos de Barcelona nos últimos dois dias, mas poderia também ser Hong Kong nos últimos meses.

O que há de igual e de diferente nos dois contextos? Entenda.

Semelhanças

  • Uso da tecnologia

"Soube pelo [aplicativo de mensagens] Telegram da convocação para as pessoas irem ao aeroporto. Tentei pegar trem e metrô, mas o governo havia fechado. Andamos durante quatro horas e chegamos", diz ao UOL Clara Narvion, comunicadora e uma das 40 mil manifestantes que foram às ruas e fecharam na segunda o aeroporto de El Prat, o principal da Catalunha e segundo mais movimentado da Espanha.

Após o Tribunal Supremo da Espanha condenar nove líderes do movimento de independência catalão a até 13 anos de prisão, Barcelona viu uma manifestação organizada principalmente pela internet tomar conta da cidade.

12.ago.2019 - Manifestantes tomam hall do aeroporto de Hong Kong - Thomas Peter/Reuters
12.ago.2019 - Manifestantes tomam hall do aeroporto de Hong Kong
Imagem: Thomas Peter/Reuters
O movimento foi batizado de "Tsunami democràtic" -- para os manifestantes, a decisão da Justiça espanhola sufoca a democracia catalã. Em Hong Kong, ativistas também pediam reforma política, pregavam desobediência civil e pediam democracia.

Narvion chama ainda a atenção para o fato de ambos os movimentos terem direta relação com o uso das novas tecnologias.

"Os ativistas de Hong Kong estão usando as novas tecnologias de uma forma brutal por exemplo para lutar contra o reconhecimento facial e para organizarem-se. E isso também está acontecendo na Catalunha", diz.

Ela também ressalta que, em outubro de 2017, durante referendo pela independência da região, hackers permitiram que os eleitores votassem em qualquer colégio, e não apenas naqueles em que estavam cadastrados. O objetivo da medida era evitar que bloqueios policiais diminuíssem a participação na votação.

Para a Espanha, a violação digital foi mais um indício de que o referendo catalão foi ilegal.

  • Independência

A Catalunha é uma região com idioma próprio com aspirações independentistas: parte da população (44%, segundo pesquisa de julho) deseja se separar da Espanha e se tornar um país. Hong Kong pertence à China.

"Em ambos os casos, a reivindicação de direitos civis e democráticos estão na base, além de um certo conflito territorial. Mas a situação de Hong Kong é mais extrema", diz o professor de História e Cultura da China Moderna e Contemporânea da Universidade Pombeu Fabra.

Narvion diz que, nos últimos dias, a separação da Catalunha é mais pano de fundo que causa final.

"Esses dias não estamos lutando especificamente pela independência, mas pela democracia, por causa da injustiça enorme que aconteceu com a sentença. De acordo com as pesquisas estatais aqui cerca de 80% da população catalã está contra a prisão dos líderes da Catalunha", afirma.

  • Desobediência civil e repressão

Em Hong Kong, ganharam o mundo imagens de policiais agredindo manifestantes que se defendiam apenas com guarda-chuvas.

Em Barcelona, os participantes também se queixam da truculência policial — que se defende dizendo que precisava assegurar o direito de ir e vir e o acesso a estruturas estratégicas, como o aeroporto.

"Acho que algo que nos une com o movimento de Hong Kong, muito bonito, é essa resistência pacífica. O movimento de independência catalão é pacífico", diz Narvion.

O professor Ollé também ressalta o caráter de "desobediência civil".

"Anteontem foi um ato de protesto cívico, não-violento, de desobediência civil, proporcional ao ultraje gerado pela sentença. A resposta da polícia foi muito pesada. Houve mais de cem feridos, dois graves. E imagens de violência policial gratuita. Tanto da polícia autônoma catalã quanto da polícia nacional espanhola. Também houve vários ataques diretos a jornalistas", diz o pesquisador.

Diferenças: Catalunha tem eleições diretas e faz parte do governo espanhol

Apesar dos paralelos, o professor especialista em sociedade chinesa e morador da Catalunha destaca que os dois processos são "muito diferentes".

Em Hong Kong, os moradores não podem escolher diretamente seus governantes.

Na Catalunha, há eleições livres para governo regional, e os catalães historicamente fazem parte do governo central espanhol. Mas a independência e até a consulta pela separação é proibida pela Constituição espanhola.

Além das questões territoriais, Ollé propõe que o movimento catalão seja entendido como um fenômeno de "descontentamento" - similar ao que se vê na França.

"Pode-se dizer que os chamados coletes amarelos e as manifestações da Catalunha são movimentos com certos paralelos. Não podemos excluir que, globalmente, a crise da classe média e o desespero da juventude também influencia tudo isso", afirma.

Internacional