PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Corpo do general Qassim Suleimani chega ao Irã

Do UOL, em São Paulo*

05/01/2020 01h57

O corpo do general Qassim Suleimani chegou neste domingo (5) ao Irã, onde será enterrado, após deixar o aeroporto em Bagdá, capital do Iraque, ontem. O comandante da força Quds do Irã, unidade especial dos Guardiões da Revolução Islâmica, morreu durante ataque aéreo realizado pelos Estados Unidos na última sexta-feira.

O avião que transportou o caixão de Suleimani pousou no Aeroporto Internacional de Ahvaz por volta da 1h30 de hoje (8h no horário local). Milhares de pessoas participam do cortejo fúnebre pelas ruas da cidade de Ahvaz.

Muitas delas carregam fotos do general e cartazes com palavras de ordem contra os Estados Unidos. Naquela cidade, os iranianos entoam gritos de "Morte à América", "Morte a Israel" e "Morte à Arábia Saudita".

Depois de passar por Ahvaz, que fica na fronteira com o Iraque, o corpo seria levado à cidade sagrada de Mashad, no nordeste do país, e mais tarde para Teerã, a capital.

O corpo de Al-Muhandis e os restos mortais de outro iraquiano estão misturados com os de Suleimani. Por esta razão, será necessário um teste de DNA antes de devolver os restos mortais dos iraquianos a seu país de origem.

Ontem, o presidente iraniano, Hasan Rohani, visitou a família do general, cujas honras fúnebres serão prestadas entre hoje e terça-feira (7) nas cidades de Mashad, Teerã e Kerman.

Milhares de iranianos participam do cortejo fúnebre de Soleimani nas ruas da cidade de Ahvaz - Hossein Mersadi/AFP - Hossein Mersadi/AFP
Milhares de iranianos participam do cortejo fúnebre de Soleimani nas ruas da cidade de Ahvaz
Imagem: Hossein Mersadi/AFP
O cortejo no Iraque

As marchas fúnebres começaram na manhã de ontem no aeroporto Al Muthanna, no Iraque, e partiram para a área sagrada de Al Kazimiya, no norte da cidade, como relatado pelo grupo FMP (Forças de Mobilização Popular), cujo vice-presidente, Abu Mahdi al-Muhandis, também foi assassinado no bombardeio dos EUA.

Os caixões de Al-Muhandis e outras vítimas, incluindo vários integrantes do FMP, milícia iraquiana majoritariamente xiita, foram envoltos na bandeira do país, enquanto o de Suleimani recebeu a bandeira do Irã.

De Al Kazimiya, foram levados para a área de Al Jadriya, em Bagdá, a bordo de veículos blindados e no meio de medidas de segurança pesadas e da presença de milícias armadas, como visto em imagens transmitidas ao vivo pela televisão estatal "Al Iraqiya".

Estiveram presentes nas homenagens o renunciado primeiro-ministro iraquiano Adel Abdelmahdi, o líder da organização xiita Badr, Hadi al Ameri, o ex-primeiro-ministro Nuri al Maliki, entre outras figuras políticas proeminentes e representantes do governo, bem como o chefe da Autoridade Popular Multilateral, Faleh al Fayad.

Enquanto os caixões passavam na chegada a Al Jadriya, milhares de pessoas agitavam bandeiras do Iraque e das diferentes facções da FMP, além de gritos de louvor e orações pelos mortos.

O comboio seguiu então para a cidade sagrada de Kerbala, lar da mais alta autoridade religiosa do Iraque, o aiatolá Ali al Sistani, e a cidade de al-Najaf, ambas a mais de 100 quilômetros ao sul de Bagdá. Um funeral e enterro de vítimas iraquianas estão programados para ocorrer em al-Najaf.

Entenda as consequências do ataque que matou general do Irã

Band Notí­cias

(* Com agências internacionais)

Internacional