PUBLICIDADE
Topo

Advogado critica Trump e nega que idoso agredido pela polícia seja antifa

5.jun.2020 - Homem de 75 anos é empurrado por policiais em protesto em Buffalo, nos Estados Unidos - Reprodução
5.jun.2020 - Homem de 75 anos é empurrado por policiais em protesto em Buffalo, nos Estados Unidos Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

09/06/2020 20h27

Kelly Zarcone, advogado de Martin Gugino, que foi derrubado por um policial em protesto nos Estados Unidos, criticou Donald Trump após o presidente norte-americano ter dito que o idoso de 75 anos era antifa.

Em entrevista para o TMZ, Zarcone disse que seu cliente sempre foi um "manifestante pacífico porque se importa com a sociedade". Ele ainda analisou as acusações sem prova do presidente de "perigosas".

"Ele é um nova-iorquino típico que ama a família. Ninguém da polícia sequer sugeriu outra coisa, então não sabemos por que o presidente dos Estados Unidos faria acusações tão sombrias, perigosas e falsas contra ele", questionou o advogado.

Uma autoridade do condado de Erie disse para a CNN que o idoso saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e está melhor.

"[Os médicos] Me confirmaram que a condição dele passou de grave para estável", completou Mark Poloncarz. "Ele está bem melhor. Acho que estamos todos muito satisfeitos em ouvir isso."

Hoje mais cedo, Trump escreveu no Twitter.

"O manifestante empurrado pela polícia em Buffalo pode ser um provocador antifa. Martin Gugino, de 75 anos, foi afastado após aparentemente escanear a comunicação da polícia a fim de desativar o equipamento. Eu assisti, ele caiu mais forte do que foi empurrado. Estava mirando o scanner. Pode ser uma armação?"."

Não está muito claro a que Trump se referiu ao indicar que Gugino "pretendia escanear" e que "parecia escanear as comunicações policiais para bloquear seus equipamentos".

Aparentemente, o tuíte se baseou em uma reportagem da OANN, rede de televisão de extrema-direita que se especializa em teorias conspiratórias e se tornou uma das favoritas da Casa Branca.

Dois policiais de Buffalo, Nova York, foram acusados de agressão depois de empurrarem Gugino na semana passada. Ele caiu de costas, quando se dirigia a eles.

Imagens de vídeo mostram o idoso no chão, imóvel e com a cabeça sangrando. Ele ainda está hospitalizado.

Nesse vídeo, a OANN divulga a ideia de uma "falsa provocação do grupo de esquerda Antifa". A rede destacou ainda que "novos vídeos" mostraram Gugino "tentando escanear as comunicações da polícia" com seu telefone.

O vídeo mostra apenas ele com o telefone na mão direita. Os aplicativos para escanear comunicações policiais permitem apenas escutar mensagens sobre o trânsito e são completamente legais e comuns nos Estados Unidos.

O vídeo alimentou a fúria nacional contra a violência policial. Trump, que está atrás nas pesquisas para a eleição presidencial de novembro, está fazendo campanha com o lema "lei e ordem".

O presidente é, há tempos, um fã das teorias conspiratórias, especialmente sua promoção da história de que Barack Obama não nasceu nos Estados Unidos e, consequentemente, não deveria ter sido presidente. Mais tarde, Trump foi obrigado a reconhecer que a alegação era falsa.

Internacional