PUBLICIDADE
Topo

Internacional

'Será uma fraude como nunca vimos', diz Trump sobre eleições americanas

Do UOL, em São Paulo

30/09/2020 00h33Atualizada em 30/09/2020 11h09

O presidente Donald Trump afirmou, durante o primeiro debate das eleições norte-americanas com o candidato democrata Joe Biden, que as eleições deste ano correm risco de ser "uma fraude como nunca vimos antes". No encontro, retransmitido pelo UOL em parceria com a CNN Brasil, ele repetiu a acusação que tem feito quase que diariamente questionando a confiabilidade do voto postal.

Trump tem levantado o tópico da suspeição das eleições uma vez que, em decorrência da covid-19, os EUA estudam adotar mais massivamente o voto por correio — comum no país e utilizado inclusive por ele no passado. Biden, por sua vez, responde afirmando que "as pessoas precisam votar".

Na noite de hoje, o presidente criticou, especificamente, o fato de alguns estados americanos enviarem a cédula pelos correios automaticamente, enquanto outros requerem uma solicitação feita pelos cidadãos.

"Se você não pede as cédulas, para que enviar? São milhões de cédulas sendo enviadas para as pessoas. Posso falar que estão enviando cédulas para todos os lugares, áreas democratas, áreas republicanas, e isso será uma fraude como nunca vimos antes. (...) Mas nós vamos ganhar a eleição porque as pessoas estão felizes com o trabalho que estamos realizando", disse Trump.

Pesquisa da Heritage Foundation, contudo, mostrou que, desde 1988, apenas 208 cédulas, de um universo de 250 milhões, foram consideradas fraudulentas. Outro levantamento, feito pelo Centro Brennan para a Justiça da Universidade de Nova York destacou que é "mais provável que um norte-americano seja atingido por um raio do que cometer uma fraude no voto por correio".

"O próprio diretor de segurança interna disse que não há nenhuma evidência de que a votação por correio esteja sujeita a algum tipo de conspiração. (...) Tudo o que ele [Trump] está dizendo é para dissuadir as pessoas de votar e amedrontá-las dizendo que o voto, no final, não será legítimo", afirmou Biden.

O democrata disse ainda que, caso perca o pleito, vai aceitar — uma resposta que o atual presidente tem evitado responder.

"Ele [Trump] não sabe se vai aceitar e vou dizer que isso não importa (...) se tivermos os votos, ele vai sair, ele vai embora, não poderá ficar no poder, isso não vai acontecer. Então vote, certifique-se que você entende que está no seu controle de determinar a imagem desse país nos próximos quatro anos", disse Biden.

Voto postal

Em vários estados norte-americanos, a prática de enviar pelo correio a cédula de votação é corriqueira. Como o processo eleitoral naquele país é organizado de forma estadual, cabe a eles decidir como vai realizar a votação por correio.

A preocupação, em tempos de pandemia, é que os eleitores democratas têm se posicionado como mais propensos a fazer mais uso dessa modalidade de votação. Por conta da diferença na apuração dos resultados, é possível que haja diferença entre o resultado preliminar, feito nas urnas, e o final, após a contagem dos votos por correio.

Além da suspeição que levanta sobre o tema, Trump tem feito ataques à USPS (Serviço Postal dos Estados Unidos). Em agosto, ele se opôs a repassar mais dinheiro para a agência com problemas de liquidez, apesar da mudanças internas terem provocado atrasos generalizados na entrega de cartas e pacotes.

"Precisam do dinheiro para que as agências dos correios funcionem, de modo que possam transportar milhões e milhões de cédulas eleitorais", disse Trump a Fox News em agosto. "Mas se não recebem... isso significa que não se pode ter uma votação universal pelo correio".

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado na matéria, Donald Trump tem feito ataques à USPS (Serviço Postal dos Estados Unidos), e não à UPS. A informação foi corrigida.

Internacional