PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump x Biden: 65 milhões de pessoas assistiram a debate nos EUA

Americanos acompanham, pela televisão, ao debate tumultuado entre Donald Trump e Joe Biden - MARIO TAMA/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images/via AFP
Americanos acompanham, pela televisão, ao debate tumultuado entre Donald Trump e Joe Biden
Imagem: MARIO TAMA/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images/via AFP

Do UOL, em São Paulo

30/09/2020 19h27

Cerca de 65 milhões de pessoas assistiram ao primeiro debate presidencial entre o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden, realizado em Cleveland (Ohio), na noite de ontem. Ao menos oito emissoras transmitiram o confronto de 98 minutos entre os dois candidatos.

Segundo números da Nielsen, empresa que faz a medição dos números nos EUA, a audiência de ontem é considerada 35% menor se comparado com o primeiro debate entre Trump e Hillary Clinton, em 2016, com 84 milhões de telespectadores. A ascensão do streaming pode ter prejudicado os números de acordo com avaliação feita pelo "The New York Times".

A Fox News, tida como aliada de Trump, liderou entre todas as redes. Outras TVs, como CNN, MSNBC, CBS, a hispânica Telemundo, também transmitiram.

O debate entre Trump e Biden é considerado o maior evento da TV americana desde o SuperBowl, ocorrido em fevereiro.

Em tom de deboche, Donald Trump reagiu em seu perfil no Twitter dizendo que "algum dia, essas empresas vão sentir muito a minha falta".

O primeiro debate presidencial entre Trump e Biden teve muito bate-boca e troca de acusações entre os dois candidatos, além disso o apresentador precisou intervir para acalmar os ânimos.

Trump interrompeu, inúmeras vezes, a fala de Biden sobre a indicação feita pelo presidente republicano à vaga na Suprema Corte; Biden, em contrapartida, acusou Trump de querer acabar com o Obamacare. Houve bate-boca e o moderador, o apresentador Chris Wallace, teve de intervir.

"Você pode se calar, cara?", chegou a dizer Biden, que foi ignorado pelo presidente. "Continue vociferando, cara", concluiu.

Como foi o debate

Em meio a um debate tumultuado, os candidatos discutiram suas propostas durante uma hora e meia de encontro mediado pelo jornalista Chris Wallace, da rede de TV americana Fox News.

A organização do debate definiu seis tópicos para o encontro:

  • Os históricos de Trump e Biden
  • A Suprema Corte
  • Covid-19
  • A economia
  • Raça e violência em nossas cidades
  • A integridade da eleição

Pelas regras, a discussão de cada tópico teve duração de cerca de 15 minutos. Em cada tema, o moderador fez uma pergunta inicial e cada candidato teve dois minutos para responder.

Biden na ponta

A eleição americana está marcada para o dia 3 de novembro. As pesquisas de intenção de voto têm apontado liderança de Biden na disputa.

De acordo com o levantamento, realizado pelo jornal Wall Street Journal e a rede de TV NBC News, na semana passada, cerca de 51% dos eleitores registrados no país votariam em Biden se a eleição fosse hoje, ante 43% que apoiariam Trump.

A vantagem de oito pontos percentuais de Biden em relação a Trump foi semelhante à da pesquisa feita em agosto, de 9 pontos percentuais. Em julho, a diferença entre os dois candidatos era de 11 pontos.

Biden vem liderando as pesquisas de intenção de voto por seis pontos ou mais ao longo de todo o ano.

Trump x Biden

Ex-apresentador de reality shows, como "O Aprendiz", da NBC, Donald Trump, de 74 anos, tenta se reeleger à presidência dos Estados Unidos em meio a polêmicas.

Em quatro anos de mandato, Trump endureceu as medidas para elevar as deportações de imigrantes ilegais; revogou as leis da era Obama para o combate ao aquecimento global; aumentou a escalada de tensões com China, Coreia do Norte e México; foi duramente criticado em sua reação à pandemia do coronavírus.

Trump ainda abriu guerra declarada com a imprensa americana, acusando jornais, canais de TV e sites de "Fake News" sobre seu governo.

Candidato oficial dos democratas, Joe Biden se apresentou ao eleitor americano como uma alternativa para a união o que, segundo ele, permitirá que os Estados Unidos deixem o caos para trás. "Serei um aliado da luz e não das trevas", afirmou o ex-vice-presidente de Barack Obama.

Ao longo da campanha, Biden não tem poupado Donald Trump de críticas. O democrata indicou que colocará o país de volta nos trilhos, investirá na ciência para lutar contra a pandemia e respeitará as regras de diplomacia.

"O debate se transformou em caos. As interrupções transformaram as primeiras partes em um vale-tudo, no qual havia pouco espaço para explorar as diferenças políticas", definiu a CNN americana, em seu site.

Internacional