PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Com 8 estados ainda apurando, eleições americanas continuam indefinidas

Ana Carla Bermúdez e Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

04/11/2020 09h00Atualizada em 05/11/2020 13h28

Quem acordou na manhã de hoje esperando conhecer o vencedor da eleição presidencial americana se deparou uma confusão armada: enquanto o atual presidente, o republicano Donald Trump, declarou vitória antes do final da contagem dos votos, o democrata Joe Biden lidera a corrida por margem menor do que as pesquisas apontavam.

De acordo com o New York Times e a CNN, pelo menos oito estados ainda não concluíram suas apurações, o que pode não ocorrer hoje, empurrando a definição por dias. Para que um candidato se sagre vencedor nos Estados Unidos, é preciso que ele conquiste pelo menos 270 dos 538 delegados do país.

O número de delegados indefinidos varia de acordo com a origem da informação. Para o New York Times, 98 delegados ainda estão em disputa. A CNN fala em 101, e a agência de notícias France-Presse, em 87.

Esses levantamentos mostram Biden com maior número de delegados do que Trump, mas por uma pequena margem de diferença. De acordo com o New York Times, por exemplo, o democrata já conquistou 227 delegados, enquanto Trump tem 213.

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as projeções da imprensa são relevantes na divulgação da conquista dos delegados.

Estados cruciais

Dos estados que ainda apuram seus votos, quatro devem ser decisivos para se chegar ao resultado final destas eleições: Arizona, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin. Pelo menos 79% das urnas foram apuradas em cada um deles, e os resultados parciais indicam uma disputa apertada entre Trump e Biden.

A virada de Biden na reta final da apuração em Michigan e a liderança em Wisconsin reforçam a previsão de vitória do democrata nas eleições.

Em Michigan, estado que tem 16 delegados, Biden aparece com 49,5% dos votos e, Trump, com 48,8%. A apuração tem sido apertada no estado. Até o momento, 92% dos votos foram contados.

O cenário também é de disputa acirrada em Wisconsin (10 delegados). Com 97% das urnas apuradas, Biden aparece à frente, com 49,5% dos votos, enquanto Trump tem 48,8%.

No Arizona, onde 86% das urnas foram apuradas, Biden aparece com 49,5% dos votos e Trump com 47,6%, segundo o jornal The New York Times. O estado conta com 11 delegados.

Na Pensilvânia, colégio eleitoral cobiçado por contar com 20 delegados, 79% das urnas foram apuradas até o momento. Os resultados parciais mostram Trump com 53,7% dos votos e Biden com 44,9%. Mas, segundo o New York Times, a expectativa pelos resultados finais do estado deve durar mais alguns dias. É esperado que a contagem dos demais votos seja concluída até a próxima sexta-feira (6).

Em Ohio e Flórida, Trump aparece à frente

O favoritismo de Biden começou a ruir na noite de ontem, quando Trump venceu a disputa na Flórida, um dos mais importantes estados na corrida pela Casa Branca por contar com 29 delegados.

Em Ohio, que tem 18 delegados, Trump também deve ser o vencedor, de acordo com as projeções do New York Times e da CNN. Com 90% das urnas apuradas, o republicano tem 53,3% dos votos contra 45,2% do democrata.

Biden, por outro lado, deve levar a disputa em Minnesota (10 delegados). Na Geórgia (16 delegados), no entanto, o democrata era o favorito nas pesquisas —mas, com 92% das urnas apuradas, é Trump quem vence por 50,5% a 48,3%.

Na Carolina do Norte, outro estado-chave com 15 delegados, Trump também lidera (50,1% a 48,7%), embora Biden fosse favorito nas sondagens.

Votos pelo correio

A esperança de Biden está nos votos enviados pelo correio. Quase 100 milhões de eleitores votaram antecipadamente —62 milhões dos quais foram por correspondência.

Essa é opção de voto é a preferida entre os democratas, especialmente durante a pandemia do novo coronavírus.

Como a apuração dos votos presenciais ocorre primeiro, é possível que Biden cresça no final da contagem, quando as cédulas enviadas por correspondência finalmente serão computadas.

Trump declara vitória

Por essa razão, Trump passou a semana toda insinuando fraude na votação pelos correios, sem apresentar provas. Ontem, ele votou ao tema ao afirmar que iria à Suprema Corte pedir que a apuração seja interrompida.

Em seguida, o presidente declarou-se reeleito, mesmo antes do encerramento da apuração. Em resposta, a campanha de Biden chamou de "ultrajantes, sem precedentes e incorretas" as declarações de Trump.

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as agências de notícias e veículos de comunicação como AFP, AP e Fox fazem extrapolações estatísticas e apontam os vencedores por estado. A AFP chegou a considerar definida a apuração do Arizona — e Joe Biden somava mais 11 votos até a manhã desta quinta-feira (5). A contagem de votos continua no estado.

Internacional