PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Covid-19: Dono de bar tenta classificar negócio como igreja para não fechar

James Aspell criou uma nova religião para não fechar o bar - Reprodução/Facebook/Church of the Four Hundred Rabbits
James Aspell criou uma nova religião para não fechar o bar Imagem: Reprodução/Facebook/Church of the Four Hundred Rabbits

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/11/2020 14h47

Devido ao aumento de casos do novo coronavírus no Reino Unido, o governo decretou um segundo lockdown no país, fazendo com que muitos estabelecimentos fossem fechados, depois de reabrirem nos últimos meses. Para não ter de encerrar temporariamente as atividades, o dono de um bar em Nottingham, na Inglaterra, tenta classificar o negócio como "religioso".

James Aspell, proprietário do bar 400 Rabbits, disse em entrevista ao canal de televisão FOX News que o movimento tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre a situação dos bares em meio à pandemia. A cidade de Nottingham está classificada como "nível 3" pelo governo britânico, considerando "muito elevado" o risco de contaminação.

Aspell ainda questiona as regras impostas nesse momento de nova alta de casos no Reino Unido, alegando que estabelecimentos como um mercado de itens para o Natal continuam abertos e os bares estão fechados. Portanto, ele teve de usar uma estratégia um tanto ousada para não ser afetado.

"O governo disse que deveríamos nos adaptar e, por isso, enviamos um pedido de registro do 400 Rabbits como local de culto, o que nos permitiria continuar abertos em todas as camadas", alegou.

Acompanhando a reivindicação, a página do estabelecimento no Facebook mudou o nome para "Church of the Four Hundred Rabbits", que, se traduzido para o português, significa "Igreja dos Quatrocentos Coelhos". Em um dos posts, é possível ver Aspell registrando o local como uma igreja. "Como locais de cultos estão autorizados a abrir em todos os níveis, pensamos: vamos criar uma religião", legendou.

Internacional