PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Elefante 'mais solitário do mundo' chega a santuário no Camboja

Kaazan está livre e já conheceu outros de sua espécie no santuário - DIVULGAÇÃO/FOUR PAWS
Kaazan está livre e já conheceu outros de sua espécie no santuário Imagem: DIVULGAÇÃO/FOUR PAWS

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/12/2020 21h20

Elefante mais solitário do mundo, como ficou conhecido, Kaavan finalmente conheceu novos amigos de sua espécie depois de quase uma década vivendo sozinho em um zoológico.

Após uma intensa campanha apoiada pela cantora Cher, ele foi finalmente resgatado e está vivendo em um santuário no Camboja.

Kaavan viveu 35 de seus 36 anos no zoológico Marghazar, em Islamabad, no Paquistão, e passou os últimos oito sozinho, depois que sua companheira morreu em 2012.

Cher e o elefante já se conheceram pessoalmente. A cantora fez até músicas para pressionar o zoológico e passou vários dias fazendo companhia a ele no Paquistão.

O elefante, que pesa quatro toneladas, teve sua liberdade ordenada em maio, após o fechamento do zoológico pela Justiça do Paquistão. O estabelecimento estava sem dinheiro e os animais estavam passando por maus-tratos.

No domingo (29), Kaavan foi sedado e resgatado pela ONG For Paws. Ele foi erguido por um guindaste até um caminhão e escoltado por uma equipe militar até o aeroporto de Islamabad.

Depois, enfrentou um voo de 10 horas até o Camboja e outra viagem de caminhão de cinco horas até a cidade de Siem Reap, onde fica o santuário. Ele chegou a fazer teste de Covid-19, e felizmente testou negativo.

O veterinário da ONG afirmou que "o voo transcorreu sem nenhum evento, o que é tudo que você pode querer quando se transporta um elefante. Kaavan comeu, dormiu, não ficou estressado. Se comportou como um passageiro frequente", disse o veterinário.

A história de Kaavan tocou o coração de centenas de apoiadores que fizeram campanhas para que ele fosse realocado para um local mais seguro.

Uma petição para libertá-lo do zoológico Maraghazar foi assinada por centenas de milhares de pessoas. Há denúncias de abuso contra o animal. A ONG afirma que o elefante ficava acorrentado e apanhava.

Internacional