PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Afetado pela covid, Zimbábue libera caça e 500 elefantes podem ser mortos

Anuncio ocorre após duas espécies de elefantes africanos terem risco de extinção atualizados - Getty Images
Anuncio ocorre após duas espécies de elefantes africanos terem risco de extinção atualizados Imagem: Getty Images

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/04/2021 11h37

Autoridades do Zimbábue anunciaram ontem que o país vai vender direitos de caça para sacrificar até 500 elefantes. A decisão ocorre, principalmente, porque as receitas de turismo diminuíram em decorrência da pandemia do coronavírus, enquanto os custos operacionais da Gestão de Parques e Vida Selvagem do país seguiram ativos.

O anúncio, divulgado pela CNN Internacional, acontece poucas semanas depois dos elefantes africanos da floresta serem declarados como uma espécie em perigo crítico de extinção e os elefantes-da-savana terem a existência considerada em perigo. A caça ilegal é um dos fatores que contribuem para a diminuição das espécies.

Tinashe Farawo, porta-voz da Gestão de Parques e Vida Selvagem do Zimbábue, afirmou que a queda na receita do turismo foi um dos principais motivos para a venda dos direitos de caça.

"Comemos o que matamos", disse Farawo. "Temos um orçamento de cerca de US$ 25 milhões para nossas operações, que é gerado, em parte, por meio da caça esportiva, mas você sabe que o turismo está praticamente morto no momento devido à pandemia do coronavírus."

A decisão, entretanto, surpreendeu o Centro de Governança de Recursos Naturais. Simiso Mlevu, porta-voz do grupo defensor do meio ambiente e dos direitos humanos do Zimbábue, reprovou a permissão da caça de elefantes e a chamou de "assustadora".

"Condenamos veementemente a caça de troféu — uma prática que agita os animais selvagens e aumenta os conflitos entre humanos e vida selvagem", afirmou.

"Ao contrário dos argumentos do governo de que a caça de troféu visa ajudar na conservação, a prática é motivada pela ganância e muitas vezes o dinheiro nem é contabilizado. Há uma necessidade de medidas mais inovadoras e ecológicas para melhorar a geração de receita com safáris fotográficos e turismo em geral ", acrescentou Mlevu.

A venda de direitos de caça de elefantes não é uma prática exclusiva do Zimbábue. Em dezembro, 170 elefantes selvagens de "alto valor" foram colocados à venda pela Namíbia para financiar o combate a uma seca no país.

Internacional